Olá, tudo bem? Sou a Dra. Tatiana Gabbi e estou aqui para falar de uma doença comum, mas que muitas pessoas ainda não conhecem: o cisto mucoso digital.

 

O cisto mucoso digital é algo bastante comum! Por uma degeneração na articulação, o líquido viscoso (que lubrifica essas estruturas) encontra um caminho até a pele, onde se acumula na forma de uma lesão elevada.

Essa lesão elevada pode inflamar, ficar vermelha, doer ou não causar nenhum tipo de sintoma (vamos falar mais sobre isso a seguir).

Quando essa pseudo cápsula do cisto é rompida, vemos o material gelatinoso saindo do seu interior. Ele lembra uma clara de ovo, uma geleia incolor (pode ser rosada) ou ácido hialurônico que está na moda nos preenchimentos!

No meu Instagram, fiz um vídeo mostrando a pseudocápsula sendo rompida. Depois de ver, continue por aqui que vou tirar algumas dúvidas comuns sobre cisto mucoso digital.

 

O que é um cisto mucoso digital?

Um cisto mucoso digital é uma lesão benigna comum que se apresenta como um nódulo firme nos dedos das mãos ou dos pés.

As lesões geralmente não são dolorosas e são encontradas perto das articulações distais. Elas geralmente aparecem lisas ou brilhantes, com uma aparência quase translúcida.

Os cistos mucosos digitais são encontrados em uma ampla gama de idades, desde adolescentes a idosos, mas são mais prováveis ​​de ocorrer durante a 7ª década de vida.

Eles são semelhantes em natureza aos cistos ganglionares ou sinoviais, que são frequentemente encontrados nos pulsos ou atrás dos joelhos.

 

O que causa um cisto mucoso digital?

O mecanismo de formação dos cistos mucosos digitais é desconhecido. Atualmente, acredita-se que os cistos sejam decorrentes da degeneração mucóide do tecido conjuntivo e que esse processo, na maioria das vezes, envolve comunicação com a articulação DIP (interfalangeana distal) adjacente e possível coexistência de osteoartrite.

As causas dos cistos mucosos digitais ainda não são claras.

Historicamente, uma variedade de etiologias, incluindo um processo tuberculoso, tem sido sugerida. Atualmente, acredita-se que a degeneração mucóide do tecido conjuntivo, associada a alterações osteoartríticas proximais seja responsável pela formação de cistos. O trauma também pode ser uma das causas em alguns pacientes.

 

Tipos de cisto mucoso digital

Atualmente, existem duas formas aceitas de cistos mucosos digitais. O primeiro tipo é uma extensão ou herniação do revestimento da articulação adjacente.

Esta forma contém um fluido que se encontra dentro da própria articulação e pode estar relacionado a trauma, artrite ou pode ocorrer espontaneamente.

O segundo tipo consiste em um depósito de uma substância gelatinosa chamada mucina e não está conectada ao espaço articular.
Quando essas lesões aparecem perto da base da unha ou na própria unha, podem causar ranhuras ou rachaduras na unha e, ocasionalmente, a perda total ou parcial da unha.

Quando rompidos, esses cistos drenam uma substância transparente, espessa e gelatinosa – assim como mostrei no vídeo do Instagram.

 

Quais os sintomas do cisto mucoso do dedo?

Um cisto mucoso digital aparece sozinho no dedo, ou menos comumente, no dedo do pé. Geralmente está próximo ao final do dedo, próximo à unha.
A maioria é indolor, mas alguns podem ser sensíveis ao toque. Eles também podem causar a deformação da unha. Quando a pele do cisto é rompida, o fluido é drenado como uma substância transparente e gelatinosa.

Cistos mucosos digitais geralmente:
– Aparecem sozinhos.
– São límpidos ou da cor da pele.
– Têm uma aparência brilhante.
– Têm cerca de 5 a 8 mm de largura (aproximadamente do tamanho de uma borracha de lápis).
São encontrados em mulheres com 60 anos ou mais, mas qualquer pessoa pode ter, no final das contas.
Se o cisto estiver relacionado à artrite, as articulações também podem estar rígidas, doloridas e, às vezes, deformadas.

 

Como se livrar de um cisto mucoso digital?

Existem diversos tipos de tratamento possíveis: injeção de corticoide, cirurgia com diversas técnicas, simples esvaziamento e curativo.
Os tratamentos que podem ser bem-sucedidos para o pseudo cisto mixóide digital (outro nome para o cisto mucoso digital) incluem:
– Pressionando repetidamente com firmeza o cisto;
– Mesmo espremendo o conteúdo com agulha esterilizada, não recomendamos fazer isso em casa devido ao risco de infecção profunda;
– Crioterapia (congelamento);
– Injeção de esteróide;
– Injeção de esclerosante;
– Remoção cirúrgica.
Infelizmente, os pseudocistos mixóides digitais frequentemente reaparecem, qualquer que seja o tratamento utilizado.

 

O cisto mucoso digital desaparece por conta própria?

Os cistos mucosos digitais podem se resolver por conta própria; no entanto, uma grande porcentagem exigirá avaliação e tratamento por um dermatologista.

O tratamento mais definitivo para cistos mucosos digitais é a excisão cirúrgica e fusão de qualquer comunicação com a articulação subjacente. Este procedimento apresenta uma taxa de cura superior a 90%, embora as recorrências não sejam incomuns.
Outras opções de tratamento incluem crioterapia, laser ablativo de CO2 e drenagens estéreis repetidas.

Todo o tratamento de cistos mucosos digitais deve ser realizado por um médico para evitar possíveis complicações, incluindo infecções nas articulações e danos permanentes nos dedos das mãos ou dos pés afetados.

Uma biópsia também pode ser realizada para descartar outras doenças raras que podem envolver certos riscos à saúde se não forem diagnosticadas.

 

Quando é hora de consultar um dermatologista?

Como você viu, o cisto mucoso digital é uma lesão sem maior gravidade e que pode recidivar (reaparecer mesmo após a cura).

Por isso, consulte o seu médico se desenvolver um cisto de qualquer tipo nas mãos ou pés. O seu médico pode verificar se é benigno e ajudá-lo a decidir como tratá-lo.

Consulte o seu médico imediatamente se um cisto ficar vermelho, quente e dolorido repentinamente, pois podem ser sinais de uma infecção.
Percebeu que está com isso? Agende uma consulta com um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia porque esse profissional vai poder te ajudar!

 

Você também pode gostar…

Se você gosta de assuntos relacionados a pele, separei alguns artigos aqui do blog interessantes para você conferir:

•Efeito do estresse na pele: o que causa e como evitar?•5 passos para cuidar da pele no inverno
•Desafios da hidratação da pele no inverno
•7 cuidados com a pele se você passa maquiagem
•Alimentação influencia nossa pele? Tire aqui todas as suas dúvidas

Espero que tenha sido útil. Marque as pessoas que você acha que vão gostar desse conteúdo e fique à vontade para compartilhar. Ah, não se esqueça de me seguir no Instagram.

Te espero no próximo artigo com mais informações sobre cabelos, unhas e pele!

 

Postado por Dra. Tatiana Gabbi

LEIA MAIS

Olá, eu sou a Dra. Tatiana Gabbi e hoje quero falar com você sobre o expossoma e compartilhar algumas informações interessantes (e necessárias) sobre o assunto. Independente de ser leigo no assunto ou um profissional da saúde, o que vou mostrar aqui serve para você. Quer saber mais? Continue comigo até o final!

 

Nossa saúde é uma combinação de genética e meio ambiente. Talvez os genes de alguém os tornem vulneráveis ​​à pressão alta, por exemplo, mas observando o que comem – na verdade, controlando o ambiente do corpo – eles podem manter seus números dentro dos níveis normais.

Atualmente, sabemos muito sobre o lado da genética desta combinação, também temos informações sobre como nossos ambientes bacterianos internos – o microbioma – afetam nossa saúde.

Mas a parte ambiental do quebra-cabeça ainda é confusa. Não medimos todos os produtos químicos que encontramos todos os dias, desde os fungos microscópicos em uma caminhada até o escapamento do carro em uma rodovia, por exemplo.

Quer dizer, a maioria das pessoas não. Michael Snyder, biólogo de Stanford e pioneiro em genômica, sim. E os resultados foram inacreditáveis! Já te falo sobre isso, mas antes, vamos entender…

 

O que é expossoma?

O expossoma humano é definido como a totalidade das exposições ambientais encontradas desde o nascimento até a morte e inclui uma mistura diversa de nutrientes dietéticos, medicamentos, agentes infecciosos e poluentes.

Simplificando: o expossoma se refere aos fatores sociais e ambientais aos quais uma pessoa está exposta desde o momento em que nasce até morrer. Isso inclui nutrição, poluição, radiação UV, vírus, bactérias e muito mais.

Todos esses fatores têm impacto na saúde de nossa pele. Quem vive em cidades com altos índices de poluição, por exemplo, pode ter uma pele mais seca e com mais erupções do que aqueles que vivem em áreas mais rurais.

Os cientistas também acreditam que esses fatores de expossoma podem acabar acelerando o processo de envelhecimento da pele.

 

Como o expossoma afeta a sua pele?

Sua pele atua como um escudo natural contra produtos químicos pro-oxidantes e poluentes físicos do ar aos quais estamos expostos na vida cotidiana.

Mas a exposição prolongada ou repetitiva a altos níveis desses poluentes pode ter efeitos profundamente negativos na pele, incluindo:

– Envelhecimento prematuro;
– Aumento na incidência de psoríase;
– Acne;
– Câncer de pele.
Além disso, essa exposição também pode piorar as condições alérgicas da pele, como
dermatite atópica e eczema.

Uma vez que a barreira protetora de nossa pele é comprometida por poluentes, os lipídios e colágeno (responsáveis ​​por dar à nossa pele hidratação e um brilho glorioso) começam a se quebrar e a superfície da pele começa a sofrer.

Isso causa um aumento das manchas secas, melanomas e uma falta geral de brilho.

+ Veja: Você sabe o que são fotoprotetores?

 

Qual a relação entre o expossoma e as doenças?

Fatores ambientais há muito tempo são apontados como os principais contribuintes para a carga global de doenças. Por exemplo, dados de várias fontes indicam que mais de 70% das mortes não violentas nos Estados Unidos podem ser atribuídas a:

– Tabagismo;
– Desequilíbrio alimentar;
– Poluição do ar;
– Reações adversas a medicamentos;
– Agentes infecciosos, agindo isoladamente ou em conjunto com outros fatores de
susceptibilidade do hospedeiro.

No entanto, a identificação de fatores específicos, suas interações e seus efeitos na saúde humana permanecem indefinidos.

Pesquisa de expossoma de Michael Snyder Michael Snyder, biólogo de Stanford e pioneiro em genômica, fez uma pesquisa que mostra o quanto estamos expostos a fatores ambientais.

Nos últimos anos, Snyder tem usado um dispositivo que ele inventou que mede o ambiente ao seu redor. Isso faz parte de sua busca para aprender como o meio ambiente afeta nossa saúde, estudando o que ele chama de “exposomes” (expossomas) das pessoas, ou as várias partículas de ar, poluentes, vírus e muito mais com os quais entramos em contato todos os dias.

A primeira coisa que a pesquisa mostrou é que o expossoma é vasto.

Havia mais de 2.000 espécies de bactérias na cobaia de estimação, registradas durante os dois anos de criação de perfil. Até mesmo a pessoa que o usou por três meses para o estudo foi exposta a mais de 1.000 espécies.

Havia cerca de 3.000 características químicas detectadas em todo o estudo.

O segundo resultado do estudo mostrou que o expositor é dinâmico.Quanto da variação do expossoma depende da região ou da sazonalidade? Pela parte que o estudo descobriu, a localização é o fator número um, especialmente para os produtos
químicos. A época do ano foi outro fator importante.

Esta foi apenas uma pesquisa para ver de maneira geral a que estamos expostos, mas trouxe resultados importantes para a dermatologia.

Uma das surpresas foi que os agentes cancerígenos, como solvente dietilenoglicol, estavam em todas as amostras – ou seja, estamos muito expostos a eles.

 

Por que devemos estudar o expossoma?

Uma das promessas do projeto genoma humano era que ele poderia revolucionar nossa compreensão das causas subjacentes das doenças e ajudar no desenvolvimento de prevenções e curas para mais doenças.

Infelizmente, descobriu-se que a genética é responsável por apenas cerca de 10% das doenças, e as demais causas parecem ser ambientais.
Ou seja: para entender as causas e, eventualmente, a prevenção de doenças, as causas ambientais precisam ser estudadas.

Como você viu, o expossoma pode ser definido como a medida de todas as exposições de um indivíduo ao longo da vida e como essas exposições se relacionam com a saúde.

 

Expossoma da Psoríase

No meu Instagram, coloquei o expossoma da psoríase para você ter uma ideia de quais exposições ambientais corroboram para a doença. Veja aqui antes de continuar a leitura. Já viu? Então, esse é o expossoma da psoríase! Ele é bem complexo, mas mostra claramente como as doenças inflamatórias se interligam.

É extremamente importante médicos e pacientes se darem conta da importância da mudança do estilo de vida nesses pacientes em particular.

Há benefícios já divulgados em artigos anteriores na perda de peso, nos exercícios físicos regulares, alimentação mais saudável (tipo mediterrânea), na redução do estresse etc.

 

Agora você pode estar se perguntando…

Se essas coisas impactam na psoríase a ponto da doença melhorar quando controlamos esses agentes, o que será que esse controle pode fazer por alguém que não tem essa doença, não é mesmo?

Pois lembrem-se que a mesma inflamação crônica de baixo grau que está presente nas doenças inflamatórias, também contribui para o envelhecimento cutâneo e do corpo como um todo!

E nesse barco estamos todos! Ninguém está ficando mais novo.

Então, cuide-se muito e de forma global! Cuide do sono, da alimentação, mexa-se e sobretudo: cuidem do que você assiste, do que pensa e de como se relaciona com outras pessoas.

E então, gostou do conteúdo? Espero ter ajudado! Compartilhe com alguém que precisa e me siga no Instagram.

 

Postado por Dra. Tatiana Gabbi

LEIA MAIS

Se você ‘caiu de pára-quedas aqui, deve estar se perguntando por qual razão estou falando de mente positiva; afinal, o que isso tem a ver com saúde, pele, cabelo, unhas? Tudo, tem tudo a ver e já vou te explicar.

Em primeiro lugar, antes de aprender sobre mente positiva, você precisa saber disso: seu corpo e sua mente coexistem, eles fazem parte de um todo.

Engana-se quem acha que sentimentos são uma coisa e organismo é outra. A verdade é que ignorar qualquer aspecto emocional ou cognitivo te afasta das manifestações físicas da aparência.

Quer um exemplo muito simples entre mente positiva e saúde? Os remédios placebo.

Os placebos funcionam porque as pessoas esperam que isso aconteça quando não sabem que estão tomando uma pílula sem nada, por exemplo.

Isso porque a pessoa acredita que ele funciona, causando algumas mudanças no cérebro e gerando consequências positivas para todo o corpo.

Ou seja: a mente positiva, acreditando que algo dará certo, é muito mais poderosa do que imaginamos e tem o poder de alterar muitas coisas no nosso organismo. Quer saber mais? Me acompanhe!

Mente positiva e a teoria do desafio e resposta

Arnold Toynbee, historiador, criou a teoria do desafio e resposta da história. Ele estudou a ascensão de 20 civilizações mais importantes do mundo e suas quedas.

O resultado foi: todas elas começaram com 3 pessoas que sobreviveram a alguma destruição de sua comunidade.

Além disso, todas elas enfrentaram também alguns desafios externos (como uma tribo hostil, por exemplo). Para que pudessem sobreviver e prosperar, todos do grupo tinham que se organizar e lidar com tudo de forma construtiva e positiva.

Afinal, se esses desafios fossem vistos com bons olhos, como uma forma de alcançar o sucesso e não como um impedimento, a comunidade prosperaria e conquistaria ainda mais resultados até nos desafios mais complexos.

Esse é o poder da mente positiva. Em contrapartida, o declínio das civilizações aconteceu quando os líderes e cidadãos não tinham mais disposição ou capacidade para se levantar diante dos desafios inevitáveis.

Por isso, digo sem medo: o sucesso é fruto de uma mente sã e que enxerga oportunidades de crescer e não barreiras gigantes.

É possível pensar positivo ou é utopia?

Como tudo na vida, a mente positiva também se trata de hábitos. Para olhar os obstáculos como desafios em vez de empecilhos, você precisa se esforçar bastante.

Com um tempo, você vai perceber que sua postura será mais otimista perante os problemas e as conquistas serão mais fáceis.

No começo, pode ser complicado pensar de forma positiva; sabemos que, muitas vezes, não conseguimos controlar tão bem a nossa mente.

Mas, ao manter o hábito, tanto na vida pessoal quanto profissional, você consegue olhar de forma positiva até nas posições mais difíceis e usar qualquer novo desafio como uma motivação para conquistar.

Como a mente positiva te ajuda?

Na vida pessoal, você consegue treinar sua mente para usar obstáculos como motivação para realizar seus projetos, como: comprar um carro, fazer uma faculdade, casar etc.

Quem cultiva emoções positivas se sente mais confiante em situações mais complexas e tem uma chance maior de sucesso.

Já na vida profissional, a mente positiva ajuda no crescimento e precisa estar na rotina de quem quer crescer e se desenvolver.

É normal ter emoções ‘negativas’ ao receber desafios no trabalho, como quando você recebe uma meta muito alta para atingir, por exemplo.

O que faz a diferença entre um profissional de sucesso, que vai bater até as metas mais absurdas, e o fracassado é o tipo de mentalidade que cada um tem.

Dicas rápidas para ter uma Mente Positiva

  1. Medite
  2. Seja grato(a)
  3. Use palavras construtivas
  4. Coma saudável (mindfull eating)
  5. Foco no presente
  6. Companhias positivas
  7. Seja prestativo à todos
  8. Descanse
  9. Ouça músicas que te animem
  10. Faça exercícios

Essa lista da Entepreneur pode te ajudar a construir uma mente positiva…

Ao pensar negativamente sobre um problema, desafio, objetivo ou qualquer outra circunstância, é preciso refletir.

A Entepreneur fez uma lista que pode te ajudar a conquistar seus objetivos e olhar o ‘copo meio cheio’. Confira!

  1. Alguém já enfrentou o mesmo desafio que você e superou
  2. Nada é impossível, tecnicamente
  3. Sempre tem uma saída – tente olhar por outro ângulo ou se afastar um pouco para enxergar
  4. Não é errado pedir ajuda
  5. Se você controla a energia da sua mente, você controla seus resultados

Ah, e ao praticar a mente positiva, lembre-se: Jim Robin afirma que você é a soma de 5 pessoas com quem você anda.

Então, olhe ao redor e mantenha por perto apenas as pessoas que te agregam e te colocam pra cima! Evite relacionamentos tóxicos e torne a mente positiva um hábito.

E então, alguma dúvida sobre pensamentos positivos e saúde? Deixe o seu comentário e eu vou te responder.

P.S.: Você pode me seguir também nas redes sociais, como Instagram e LinkedIn para ficar por dentro de outros conteúdos bacanas! <3

LEIA MAIS

A resposta curta é: sim, o sono da beleza existe. Muita gente acha que é apenas uma expressão, mas a verdade é que o período de sono é um dos mais importantes para o organismo humano.

É durante o sono da beleza que o seu corpo exerce diversas funções e uma delas é o envelhecimento das células.
O impacto na saúde é tão grande que é possível notar quando alguém teve uma noite mal dormida apenas pela pele.
Uma das consequências de não tirar o sono da beleza é o aumento do hormônio do estresse, chamado cortisol, que provoca o envelhecimento da pele.
Funciona assim: quando o estresse se torna crônico, ele tem repercussões biológicas, deixando a pele com menos brilho, mais fina e com menos elasticidade, linhas finas, rugas, manchas de idade e flacidez.
Outro ponto é que a diminuição do débito do sono causa o aumento de citocinas pró-inflamatórias, causando também sonolência diurna excessiva e, consequentemente, queda no nosso desempenho.

Ou seja: o famoso sono da beleza é um grande aliado da saúde da nossa pele. Uma boa noite de sono, além de nos manter relaxados e mais dispostos, contribui ativamente para evitar o envelhecimento cutâneo!

Hábitos para seu sono da beleza

Se você está em dúvida sobre como ter um sono da beleza como nunca antes, separei alguns hábitos que podem e devem ser adotados para a “higiene do sono” – inclusive, também compartilhei um post sobre isso no meu instagram.

Aqui estão as dicas para a sua higiene do sono:

1 – Evite cafeína, tabaco e álcool

As bebidas com cafeína (refrigerantes de cola, cafés e chás) estimulam seu organismo e podem te manter acordado. O ideal é evitar esse tipo de bebida pelo menos 4 horas antes do seu horário de dormir.

2 – Crie uma rotina de sono

Além de definir um horário para se deitar todos os dias, defina também um horário fixo para se levantar (mesmo aos fins de semana, férias e feriados).
Esse hábito do sono da beleza permite que o seu organismo defina um relógio interno e só tente adormecer no horário certo, evitando as sonolências durante o dia.
Ah, é importante estabelecer horários regulares de despertar independentemente da duração do sono anterior.

3 – Não vá para a cama (a menos que esteja com sono)

Espere ter sono para depois deitar. Caso você se deite e, depois de 20 minutos, perceba que não está conseguindo dormir, não fique na cama…
Levante-se, leia um livro, escreva alguma coisa e se ocupe até se sentir sonolento o suficiente para tirar seu sono da beleza.

4 – Crie um ambiente que induza o sono da beleza

O hábito de dormir bem só é conquistado totalmente quando você tem um ambiente que te permita relaxar e ter um sono adequado.

Algumas dicas para isso são manter o quarto:

  • Escuro
  • Em silêncio
  • Com uma temperatura agradável
  • Roupa de cama confortável

Você pode usar ventiladores, tampões de ouvido ou, até mesmo, cortinas escuras para que seu organismo saiba que esse é o momento do sono da beleza.

5 – Faça exercícios físicos exposto à luz

A luz natural é uma poderosa aliada para o seu relógio biológico; é isso que avisa ao seu corpo que está no horário de despertar e começar a trabalhar.

Por isso, aproveite a luz natural para se exercitar e faça pequenas pausas também para se expor à ela.

Falando nisso, não deixe de fazer atividades físicas; isso é essencial para manter sua mente e seu corpo em alerta e te dar mais disposição para as outras atividades do cotidiano.

Em contrapartida, evite fazer exercícios pelo menos 3 horas antes de dormir e também não fique em ambientes muito iluminados perto da hora de adormecer.

6 – Reduza o tempo na cama

Isso vai fazer seu organismo combinar com o tempo real de sono. Quando você fica na cama por muito tempo e está acordado, o seu organismo pode confundir esse tempo e acabar com o seu sono da beleza.

Falando nisso, evite a cama durante o dia. O cérebro aprende o que ensinamos a ele e, se ficamos na cama por várias horas ao dia, fazendo diversas atividades (como acessar a internet, comer, assistir TV etc.), ele não vai associar seu quarto ao sono.

Por isso, ao se levantar no horário proposto, fuja do quarto e faça suas atividades em outros ambientes, principalmente se você está trabalhando Home Office.

E então, já está craque no sono da beleza? Todos esses tópicos são essenciais para o sono da beleza e para manter o ciclo circadiano regulado. Falei sobre isso neste outro artigo também, que você pode conferir aqui no blog.

LEIA MAIS

Você tem uma vida super corrida e quase não tem tempo nem para respirar, quem dirá comer? Então, esse post de mindful eating é uma leitura obrigatória para você!

Pode ser que você esteja pensando: “Eu quase não tenho tempo, mas conheço o mindful eating e estou praticando, estou comendo devagar…”

Desculpe, mas eu preciso te interromper agora, antes que seja tarde, porque: mindful eating não é comer devagar e mastigar por um ‘loooongo’ tempo.

Mindful eating, em tradução livre para o português, significa “alimentação consciente” – a maioria das pessoas nem sabe o que é isso.

A resposta rápida: alimentação consciente é comer com atenção, saborear os alimentos e dar importância à refeição.
Se você acha que isso é balela e que não faz diferença nenhuma, precisa ficar comigo aqui até o final e entender tudo o que você tem a ganhar se praticar mindful eating a partir da sua próxima refeição hoje. Vamos lá?

 

Mas por que eu estou falando de Mindful Eating?

Lembre-se: a nutrição é um processo ativo de assimilação dos elementos presentes nos alimentos!

E, pasme: isso faz parte do expossoma do envelhecimento cutâneo! Portanto, uma boa alimentação é base para uma pele bonita.

Isso porque prestar atenção ao que você está comendo é o primeiro passo para detectar hábitos poucos saudáveis cada vez que eles aparecem.

Se você pode identificar, você pode deter. Isso significa que, ao “comer com a consciência em vez da emoção” faz com que você tenha novos hábitos.

Além disso, os problemas de pele são consequências de uma nutrição incorreta, estresse e hormônios.


Acredite, o estresse é o maior ladrão de beleza de todos os tempos!

As cicatrizações das feridas ficam mais lentas, a inflamação dispara e as glândulas sebáceas ficam exageradas. Isso afeta sua pele de várias formas, como:

– Acne, pelo hormônio liberador de corticotropina (envolvido na resposta ao estresse);

– Aceleração dos sinais de envelhecimento, como rugas e linhas (muito cortisol diminui a reparação natural e a formação do colágeno para lidar com áreas danificadas);

– Piora de quadros de doenças de pele, como doenças inflamatórias que pioram com o estresse (psoríase, acne e eczema são algumas delas).

A boa notícia é que a atenção plena se tornou uma das principais formas de aumentar a felicidade e reduzir o estresse, principalmente quando falamos de alimentação.

Esse estudo provou que a atenção plena ajuda a melhorar a cicatrização das feridas logo nos primeiros dias.

 

Como funciona a alimentação consciente?

A alimentação consciente te ajuda a decidir o que deve comer e por quais motivos. O mindful eating te ajuda a estar ciente sobre isso, em vez de apenas comer qualquer coisa que vir pela frente.

Mindful eating se trata de comer com atenção plena e apreciar o momento, com consciência do próprio corpo, das sensações e pensamentos.

Assim, você consegue reconhecer e diferenciar se está com vontade de comer ou com fome mesmo.

Ah, e você pode não saber, mas existe a fome física e a fome psicológica ou emocional. No segundo caso, você come apenas para se confortar.

A prova disso é que, se você não pratica o mindful eating, provavelmente, vive com dificuldade de definir se está satisfeito realmente ou não; você não sabe a hora de parar.

 

Os níveis do Mindful Eating

Para simplificar o assunto, separei o prato em 4 partes que você precisa para praticar o mindful eating. Geralmente, é assim que eu faço e, como é bem simples, você já pode começar na sua próxima refeição:

1 – Observar: fique atenta ao seu corpo – estômago roncando, alto estresse, sensação de estar cheio ou vazio, satisfação e energia.
2 – Saborear: sinta o aroma da comida, o sabor, a textura e entenda quais sensações isso te causou.
3 – Interagir: esteja presente. Esqueça o celular, tv e outras distrações nesse momento; apenas coma, com atenção total no que está fazendo.
4 – Explorar: não se culpe e nem imponha regras rígidas de alimentação nesse primeiro momento; a opção racional é a melhor escolha (as emoções podem aumentar o estresse e distúrbios alimentares).

Depois de tudo isso, se atente aos sentimentos que cada um te causou e anote isso cerca de 30 minutos depois que comer.

 

E hoje trago dicas para o mindful eating!

1 – Antes de iniciar a refeição, agradeça pelo alimento que está diante de você. Eu acho que não tem uma forma melhor de se conectar com o mindful eating.
2 – Evite distrações na hora da refeição: afaste celulares, televisão, telas, livros. Concentre-se no momento presente e no que você está fazendo. Tem quem goste de colocar uma música suave para acompanhar.
3 – Comece pela salada: veja os elementos presentes no prato, a beleza dos ingredientes e das proporções. Em seguida, selecione uma parte e mastigue cuidadosamente, prestando atenção plena às texturas e aos sabores.
4 – Deixe os talheres encostados enquanto faz isso: essa é uma forma de reduzir a velocidade do processo.
5 – Só então passe ao prato principal, repetindo exatamente o mesmo movimento.
6 – Deixe que seu corpo alcance o cérebro: desacelere, coma e pare quando o seu corpo te avisa que está cheio.
7 – Seu corpo tem sinais pessoais de fome; aprenda a reconhecê-los e entenda se a alimentação é uma resposta ao desejo emocional ou às necessidades do corpo?
8 – Em vez de apenas comer sozinha, em horários aleatórios, coma com outras pessoas em horários e locais determinados.
9 – Mas lembre-se: tudo começa pela sua lista de compras. Veja o que satisfaz a sua necessidade nutricional e prefira esses alimentos em vez dos que têm apenas ‘valor emocional’.

 

Você já está praticando o mindful eating se…

-> Reconhece que não há jeito errado ou certo de comer, mas existem sim vários níveis de consciência na experiência da comida.
-> Aceita que suas experiências alimentares são apenas suas.
-> Dirige sua atenção no momento da refeição por escolha própria.
-> Se conscientiza sobre cada alimento e como ele pode favorecer sua saúde e bem-estar.
-> Está ciente que a alimentação influencia diretamente TODO o seu corpo e quer cuidar bem de você.


Mindful eating vale a pena e esses são apenas alguns dos benefícios…

– Reduz a ansiedade

– Combate o estresse

– Melhora a saciedade

– Alimentação com propósito

– Controle da sua própria vida e sentimentos

– Reconhece os gatilhos emocionais que te impulsionam

– Aprende a gerenciar suas emoções com maior facilidade

– Começa a ouvir os pensamentos e decide obedecê-los ou não

– Evita a compulsão por alimentos hipercalóricos no fim da refeição.

 

Gostou? Comente se você já utiliza alguma dessas dicas de mindful eating no seu dia a dia ou se tem alguma outra aqui nos comentários!
P.S.: Aproveita para me seguir no Instagram; faço vários conteúdos legais por lá!

LEIA MAIS

Você já ouviu falar em ritmo circadiano? Sabia que é ele o responsável por regular todo o funcionamento do seu corpo? Veja mais neste artigo!

Todas as nossas células que compõem o nosso organismo são reguladas por um sistema inteligentíssimo. Temos um relógio biológico que, de forma natural, se ajusta e se ativa com base em sinais externos associados à luz e à escuridão.

Além disso, possuímos relógios periféricos que se ajustam principalmente com a alimentação, entre outros estímulos.

Quer saber mais sobre como funciona o ritmo circadiano e o que ele tem a ver com todo o seu dia? Continue a leitura!

O que é ritmo circadiano mesmo?

O ritmo circadiano, controlado por esses relógios biológicos, compõe o ciclo vital que controla o organismo diariamente para cumprir funções fundamentais, tais como:
– Regular a temperatura corporal;

– Equilibrar os níveis de açúcar e de hormônios;

– Além de orquestrar o sistema de regeneração e reparação celular.

Esse ritmo circadiano ou ciclo circadiano se refere ao período de 24h que o ciclo biológico que baseia praticamente todos os seres vivos.

Algumas das fortes influências no ritmo circadiano são:

– Luz

– Temperatura

– Movimento de maré

– Vento

– Dia

– Noite

Ou seja, seu corpo tem um metabolismo, que é controlado por um relógio biológico. Este, por sua vez, determina os períodos de menor ou maior energia, que têm relação direta com o ciclo escuro e claro da luz solar.

Os ciclos do ritmo circadiano são mentais, físicos e comportamentais.

Mas para que serve o ritmo circadiano?

Para regular essa atividade física, fisiológica, química e psicológica do seu organismo, que pode influenciar no estado de vigília, no sono, na temperatura corporal, na regulação das células e até na digestão.
De forma mais clara, o ritmo circadiano pode influenciar em coisas como:

– Horário de dormir

– Temperatura corporal

– Níveis de hormônio

– Estado de alerta

– Apetite

– Pressão sanguínea

– Metabolismo

Alguns dos fatores externos que influenciam no seu ritmo circadiano podem ser: exposição à luz de aparelhos eletrônicos (a famosa luz azul) em horários inapropriados, cafeína e drogas.

Ritmo circadiano dia e noite

Durante o dia, os ritmos circadianos estimulam o despertar da nossa pele, aumentando o seu potencial de autoproteção e otimizando a biotransformação de vitamina D.
Por esta razão, recomenda-se utilizar produtos cuja principal propriedade seja a ação antioxidante, pois eles exercem proteção contra as agressões de agentes externos.

À noite, os ritmos circadianos aumentam a taxa de reparação e regeneração celular, uma vez que a pele não está submetida a agressões, como a radiação UV.

Além disso, produz-se um aumento da microcirculação, gerando uma maior desintoxicação e maior aporte de nutrientes para as nossas células.

Os produtos recomendados para aplicar à noite contêm ativos que estimulam os mecanismos de autorreparação e auto regeneração da pele para, assim, ajudar a reparar os danos produzidos durante o dia.

Além desses cuidados básicos, a tecnologia já nos trouxe inovações nesse setor!
Já temos cosmecêuticos (cosméticos + produtos farmacêuticos) inteligentes, baseados na cronobiologia, que atuam em função do momento em que são aplicados na pele.

Ou seja: o mesmo produto, com os mesmos princípios ativos, poderá ter propriedades distintas em função de ser aplicado durante o dia ou durante a noite.

O que a alteração no ritmo circadiano causa?

Deixar o seu ritmo circadiano desregular pode ter algumas consequências sérias, como:

– Sonolência durante o dia

– Desempenho menor no trabalho

– Propensão maior a acidentes

– Depressão

– Ansiedade

– Pouca agilidade mental

– Maiores riscos de obesidade e diabetes

Você pode até gostar de trabalhar à noite, por exemplo, mas o ritmo circadiano entende que esse é o horário de descansar.

De acordo com a biologia do seu corpo, o horário noturno é feito para dormir e é por isso que não temos a visão noturno, olfato e audição aguçados para esse horário como alguns animais possuem.

Não sou só eu que estou falando, são as estatísticas e os acontecimentos.

Os desastres mais problemáticos da história aconteceram no horário noturno, como o acidente na Three Mile Island e o Chernobyl.

Para ter ideia, essa pesquisa mostrou que 25% a 30% dos profissionais que trabalham com turnos alternados têm crises de insônia ou sonolência em excesso.

Algumas dicas para manter o seu ritmo circadiano

A primeira de todas é: durma cerca de 7-8hs por dia e de preferência antes das 22hs.
De uma forma geral, é preferível acordar cedo do que ir dormir tarde, em termos cronobiológicos.

A segunda dica é: faça a higiene do sono evitando telas e luzes artificiais próximo do horário de dormir.

A terceira dica é: evite substâncias que podem afetar seu sono após as 16h, como álcool, nicotina e cafeína.

A quarta dica é: consuma bebidas frias, como água ou chá gelado.

A quinta dica é: se exponha à luz natural solar (claro, com proteção e em horários adequados).

A sexta dica é: tire uma soneca de 15 minutos após o almoço, se puder.

Se você tem dúvidas sobre o seu ritmo circadiano e de como isso funciona na sua pele, precisa falar com um especialista. Esse é o seu caso? Então, clique aqui e agende o seu horário!

LEIA MAIS

Você já conhece os efeitos do estresse na pele? Sabia que ela mostra esses sinais? Continue por aqui e fique por dentro sobre o que causa o estresse e algumas dicas para evitar.

Hoje vamos falar sobre o efeito do estresse na pele, que foi o tema da minha rede social durante uma semana – tinha aproveitado a minha ida à Lapinha, spa médico pioneiro no tratamento do estresse no Brasil.

A pele é como uma via de comunicação com o mundo externo. Ela pode expressar tanto o bem estar assim como o adoecimento.

O estresse crônico promove o agravamento de doenças como dermatite atópica, psoríase e urticária.

Isso pode significar coceiras, ressecamentos e manchas roxas, vermelhas e brancas na sua pele; tudo isso causado pelo estresse.

Isso porque o seu corpo libera hormônios que alteram o sistema imunológico e, se o seu sistema imunológico cair, os sinais da epiderme aparecem.

Como funciona o efeito do estresse na pele?

Nem sempre o estresse é um problema; ele é uma defesa natural, um mecanismo fisiológico, que tem o seguinte objetivo: ajudar na sobrevivência.
Isso porque o estresse faz com que nosso corpo libere alguns mediadores químicos, nos fazendo reagir de forma mais rápida e eficiente em momentos de perigo. O problema mesmo é quando o estresse se torna crônico, causando muitos danos à saúde.

O estresse aumenta o risco de problemas cardiovasculares (como infarto e pressão alta) e também tem um grande efeito negativo na pele.

Isso acontece porque o cortisol em excesso (um dos hormônios relacionados ao estresse) afeta nosso sistema imunológico, provocando ou agravando doenças.

Efeito do estresse na pele: doenças mais comuns

Dermatite atópica
Podendo estar relacionada a outras doenças, como a rinite, asma e bronquite, a dermatite atópica é um processo inflamatório que causa algumas manchas / lesões na pele, coçando bastante e até descamando.
Alguns dos gatilhos da dermatite atópica são: tensão emocional, forte estresse, frio intenso, ambientes secos demais, tecidos de lã e calor.

Psoríase
Os problemas de estresse na pele também podem causar psoríase, que é uma doença inflamatória crônica. Os principais sinais são as manchas secas e escamas que se formam, principalmente, nos joelhos, couro cabeludo e cotovelos.

Alguns dos fatores que agravam a psoríase são: estresse crônico, álcool e alta exposição ao frio.

Urticária
Um outro problema de estresse na pele é a urticária, que é uma irritação cutânea, podendo surgir “do nada” em qualquer região do seu corpo. Ela pode ser:

– Aguda: dura menos de 6 semanas e não deixa cicatriz

– Crônica: dura meses ou anos

O principal desencadeador da urticária não é o estresse, mas ele ajuda muito a piorar seus sintomas.

Vitiligo
Um outro problema comum que causa sinais visíveis do estresse na pele é o vitiligo. Ele é a redução da melanina ou falta dele (melanina é o pigmento que dá cor à nossa pele).

Isso pode acontecer em várias regiões do corpo, surgindo manchas brancas. O estresse é um fator em comum nos pacientes que têm vitiligo, podendo desencadear o início da doença se a pessoa já tiver alguma predisposição genética.

Então, como controlar o estresse na pele?

É normal se estressar e precisamos controlar isso no dia a dia. Algumas pessoas conseguem fazer isso melhor, outras sofrem com isso e sentem o estresse na pele. Mas como saber que está fazendo mal à sua saúde realmente? Simples:

– Seu comportamento padrão foge do habitual;

– Está sentindo dificuldade para dormir;

– Ou você dorme à noite inteira e acorda se sentindo cansado;

– Não sente energia para as tarefas do seu dia

– Se irrita com quase tudo e todos

Na maioria das vezes, ouça quem está perto de você; ele pode te mostrar que algo não vai bem e que está na hora de procurar um especialista.

Se você quer se livrar dos efeitos do estresse na pele e em outras partes do corpo, precisa, acima de tudo, identificar as causas do seu estresse.

Caso seja possível, se afaste da causa do estresse; mas se não for possível, é necessário encontrar uma maneira de lidar com a situação de outras maneiras.

Dicas para reduzir o efeito do estresse na pele

1 – Esteja em constante contato com a natureza: em contato próximo com a natureza é importante porque ela nos mostra diversos mecanismos naturais, como a questão do ciclo, da impermanência, do silêncio, etc.

2 – Pratique atividades físicas: faça o que mais gosta – ou o que menos odeia – mas mexa-se! O exercício e o lazer são excelentes protetores contra o estresse e a síndrome de burnout!

3 – Cultive relações saudáveis consigo mesmo e com o meio: cultivar as amizades e as relações humanas é essencial. Isso foi um aspecto fundamental em um longo estudo conduzido em Harvard sobre envelhecer bem!

4 – Faça a higiene do sono, respeitando o tempo e qualidade: durma bem, respeitando tempo e duração do sono e pratique a higiene do sono, que já foi explicada no meu Instagram.

5 – Regule o seu ciclo circadiano: cuide dos momentos de exposição a luz e escuridão (evite luz artificial e telas próximo ao horário de dormir) e observe o horário das refeições (mantenha mais ou menos fixos) para regular relógio central (luz/escuridão) com os periféricos (alimentação).

Outras dicas rápidas para reduzir o efeito do estresse na pele

– Medite

– Faça terapia

– Tenha momentos de lazer

– Pratique atividades físicas (mas não se cobre por desempenho profissional)

– Invista tempo em hobbies que não estejam ligados ao seu trabalho diário

Fez tudo isso e ainda sente o efeito do estresse na pele? Acha que não está funcionando? O único remédio deve ser procurar um especialista! Não tome remédios por conta própria, procure um médico perto de você que possa te ajudar.

Precisa de alguma ajuda e quer marcar uma consulta? Clique aqui e marque um horário comigo.

LEIA MAIS

Fotoenvelhecimeto, como a exposição solar inadequada prejudica a pele.

A exposição crônica ao sol é o principal fator do envelhecimento cutâneo.

A luz solar é composta por raios eletromagnéticos que penetram a pele em diversos níveis/camadas.

Basicamente existem 3 tipos de raios solares:
– Ultravioletas (UVB, UVA1e UVA2)
– Luz visível
– Infravermelho

Raios UV

A radiação ultravioleta afeta todas as camadas da pele (epiderme, derme e hipoderme).

A primeira a sofrer alterações e a derme com posterior repercussão para epiderme.

Essa radiação altera a matriz extracelular da derme. Diminuindo a produção de proteínas, o que prejudica o remodelamento celular e gera radicais livres, os quais causam inflamação e dano do tecido cutâneo.

Os raios ultravioletas são divididos em:
UVA = Penetram a pele mais profundamente e são eles que alteram a pigmentação (manchas), provocam o fotoenvelhecimento e podem levar ao câncer de pele.
– UVB = Penetram a pele superficialmente e causam eritema (vermelhidão), queimaduras e ardência.

Além disso, os RUV são capazes de provocar diversas doenças dermatológicas (fotodermatoses) ou agravar outras doenças (Dermatoses fotoagravadas).

 

Raios Infravermelhos e Luz Visível

Os raios infravermelhos e a luz visível degradam a matriz extracelular da derme, modificam a composição lipídica da camada córnea (uma das camadas da epiderme) e alteram a pigmentação da pele.

 

Luz Azul-Roxa

A Luz Azul é aquela luz artificial emitida por telas de computadores e celulares. Ela causa alteração na pigmentação da pele por mecanismos diferentes do RUV, ou seja, não geram radicais livres, mas provocam o envelhecimento cutâneo.

 

E como prevenir o Fotoenvelhecimento? Protetores Solares!!

Próximo post…

Continua acompanhando o blog para ver mais conteúdos como esse ou nas minhas redes sociais. Até a próxima!

 

Postado por Dra. Tatiana Gabbi

LEIA MAIS

De uma forma geral, independentemente do tom de pele de cada um de nós, a proteção solar (ou fotoproteção) é uma necessidade para todos.

Diferentes tipos de pele possuem também algumas diferenças estruturais e fisiológicas importantes, influenciando no fotoenvelhecimento, no envelhecimento intrínseco, na quantidade de filtração para os raios ultravioletas e até na hidratação.

A coloração da nossa pele é determinada, principalmente, pelo tipo e quantidade de pigmentos de melanina que são produzidos pelos melanócitos.

A quantidade de melanina que existe na epiderme, por exemplo, é maior entre pessoas negras, o que confere maior fator de proteção solar (FPS).

Já em pessoas caucasianas e asiáticas, cerca de 80% dos sinais de envelhecimento são causadas pela exposição dos raios ultravioleta.

Mas isso não significa que pessoas de pele negra podem viver sem a fotoproteção. Entenda mais a seguir!

 

Fotoproteção é necessária para todas as peles

Alguns cálculos mostraram que o limite de exposição diária aos raios ultravioletas seria de 2,54 minutos ao dia.

Isso porque os raios UV fazem parte dos responsáveis pelos sinais de fotoenvelhecimento antes do tempo (envelhecimento precoce), irregularidade na sua pigmentação, telangiectasias e elastose solar.

Em pessoas com o tom de pele mais escuro, vemos com frequência a despigmentação, a hiperpigmentação, além do envelhecimento e a presença do câncer de pele.

 

Fotoproteção Pele Étnica

Sempre me perguntam se quem tem a pele mais morena pode abrir mão da fotoproteção. E a resposta é não! Vamos entender?

Como você já viu, a melanina é uma proteína que confere uma proteção natural contra a exposição ao sol.

Quanto mais claro o tom de pele de uma pessoa, menor quantidade de melanina presente na pele.

Portanto, quem tem um tom de pele mais moreno, consequentemente, tem um envelhecimento mais lento e mais tardio do que quem tem a pele mais clara.

No entanto, quando vamos estudar a fundo (nível celular) os efeitos dos raios solares sobre as peles, observamos que as mesmas consequências vistas nas peles mais claras estão presentes nas morenas, ainda que em menor grau.

Por isso, o skin care da pele morena também deve contemplar o uso do filtro protetor solar e devemos orientar esses pacientes a evitar a exposição solar excessiva.

Dica: Uma boa fotoproteção inclui cuidados contra o UVA, UVB, infravermelho e luz azul.

E aí, o que achou? Ainda tem dúvida sobre o fotoproteção para a sua pele? É só ir no meu instagram e deixar uma pergunta lá – vou ficar muito feliz em te responder. Ou entre em contato e agende a sua consulta.

 

Obrigada e até a próxima!

Postado por Tatiana Gabbi

LEIA MAIS

O frio já chegou, trazendo baixa umidade do ar e ventos mais gelados. Algumas das medidas que tomamos para nos esquentar e nos livrar do frio acabam criando problemas na nossa pele no inverno.

Nessa época, pode ser que você use uma quantidade maior de roupas, beba menos líquidos, transpire menos, tome banhos quentes, use os aquecedores com maior frequência, entre outras medidas para ficarmos mais quentinhos.

O problema é que essas atitudes fazem com que sua pele perca a capacidade para reter a água e também a sua oleosidade natural, o que pode desequilibrar a quantidade de óleo e água – que é conhecido também como manto lipídico.

A falta de cuidado com a pele no inverno pode causar, além daquela sensação de que está desidratado, uma pele que fica repuxando, ressecada, mais sensível, que comece a descamar e tenha a aparência opaca ou sem vitalidade.

Para evitar esses problemas, é essencial tomar alguns cuidados nas épocas mais frias. Hidratar a pele no inverno é primordial, seguindo os passos que vou falar aqui. Confira:

Passo 1: Limpeza, já! 

Tente não usar os sabões tão agressivos. Em vez disso, procure por aqueles que são limpadores sem sulfato (os syndets) ou que sejam em óleo.

 

Passo 2: A dose certa de prebióticos

As alterações constantes da temperatura podem comprometer a flora natural da pele! Alguns cremes têm a capacidade de restaurar essa flora, além de fortalecer a pele e deixá-la mais equilibrada. Alguns deles já são hidratantes e não há necessidade de utilizar mais um produto com essa função!

 

Passo 3: Antioxidante (o meu queridinho ainda é a vitamina C tópica)

Tanto para os olhos quanto para o rosto, temos produtos que combinam esse ativo com a vitamina E e substâncias como a carcinina, melatonina e o resveratrol, entre outros. Estou gostando muito da opção de óleos vegetais ricos em esqualano, compatível com a barreira natural da sua pele!

 

Passo 4: Hidratação pele no inverno

Para quem gosta de múltiplas camadas essa etapa pode ser separada. Os produtos multifuncionais dispensam a hidratação de forma separada! Eu acredito ser mais prático também!

 

Passo 5: Filtro solar pele no inverno

Ele é o último passo antes da maquiagem! Mas simmmm, temos produtos antioxidantes, hidratantes e com fps e cor para proteger a sua pele das manchas e do envelhecimento precoce, mesmo no inverno!

 

Gostaram? Comentem abaixo quantos desses passos vocês seguem e quantos estão deixando de seguir! Vou amar saber!

Se tiver alguma dúvida, sugestão ou quiser me acompanhar mais de perto, pode seguir omeu Instagram, também compartilho muita informação bacana por lá. Ou entre em contato e agende a sua consulta.

Obrigada e até a próxima!

Postado por Tatiana Gabbi

LEIA MAIS