O tumor glômico é uma lesão ungueal extremamente dolorosa que pode ser visualizada como uma mancha vermelha, arroxeada ou azulada.

Nesse caso, observe a mancha azul junto à parte branca na base da unha a esquerda. Trata-se de um tumor benigno da região da ponta do dedo que, frequentemente, pode ficar embaixo da unha.

A cirurgia não costuma deixar sequelas quando é feita por um profissional experiente e desde que o tumor não tenha lesionado a matriz (fábrica) da unha.

Veja abaixo a unha depois do procedimento!

LEIA MAIS

Você conhece a função das unhas e por que elas são importantes para o seu corpo? Entenda tudo agora!

A função das unhas vai muito além de apenas beleza ou estética. As unhas podem indicar enfermidades ou determinadas condições do seu corpo.

O outro nome dado para as unhas é “lâminas ungueais”. Elas são placas córneas das células mortas, sendo resistentes, compactas, translúcidas e formadas, principalmente, por queratina.

A queratina é uma proteína que ajuda na formação de várias estruturas do corpo humano. Mas a queratina que compõe as unhas é diferente da que encontramos nos cabelos e nas camadas superficiais da pele.

Quer saber mais sobre a função das unhas? Então, você pode ler este artigo e ver o meu vídeo sobre o assunto.

 

Função das unhas: como ela é formada afinal?

Suas unhas se formam ainda durante a fase em que é um embrião, na 9ª semana da gestação, aproximadamente, e depois disso não param de crescer.

Cada uma das suas unhas possuem uma raiz na dobra da pele em sua base, junto com a cutícula. Assim, as células especializadas se multiplicam sem interrupções, secretando e acumulando camadas grossas da queratina no interior.

Quando as novas células são fabricadas, as antigas abandonam o que é chamado de matriz e acabam morrendo. Mas a nova composição de queratina da unha continua se movimentando para a ponta do dedo, já que a raiz / matriz germinativa não para de trabalhar.

 

Qual é a função da unha afinal?

A maior função da unha, diferente do que muitos pensam, é proteger as extremidades dos seus dedos – tanto da mão quanto do pé.

Além disso, as unhas também compõem alguns movimentos de apreensão nos objetos miúdos e aumentam a sensibilidade da sua polpa digital.

Ou seja: as unhas ajudam a pegar e usar objetos mais finos, delicados e pequenos, como os alfinetes, por exemplo.

Dizem que, nos nossos antepassados, a função das unhas também era para ser usada como garra de animais, ajudando na autodefesa.

Quer saber sobre a função das unhas de uma forma mais completa? Então, veja o vídeo que eu fiz para ajudar você especialmente nesse assunto:

 

Até a próxima!

LEIA MAIS

Se você reparou que suas unhas estão descamando, onduladas, partidas, fracas, quebradiças ou não crescem, fique de olho: pode ser o indício de que algo não vai bem com o seu corpo. Unhas fracas podem ser o sinal de que você está com falta de vitaminas, com anemia ou alguma doença dermatológica. 

Em alguns casos, os motivos podem ser externos, provocados por produtos de limpeza, traumas emocionais ou até mesmo o excesso de manicure. O ponto é que ter unhas fracas não é algo normal, já que elas são um reflexo da sua saúde e podem ser a indicação de que você precisa se cuidar.

O que está por trás das unhas fracas e quebradiças?

“Vários problemas podem se esconder por trás de unhas fracas e quebradiças, desde um déficit de proteínas e calorias na dieta, passando por alterações endocrinológicas, como doenças da tireoide”, aponta Tatiana Gabbi, dermatologista e assessora do Departamento de Cabelos e Unhas da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Confira as principais causas por trás da fragilidade nas unhas:

Deficiência nutricional

Para Tatiana, uma dieta balanceada pode prevenir o surgimento de diversas doenças, inclusive a síndrome das unhas fracas. “A dieta balanceada é rica em vegetais e fibras, vitaminas e minerais. Esses alimentos são importantes para a regulação do metabolismo do organismo como um todo, beneficiando as células em rápida divisão, como as das unhas e dos cabelos”, comenta.

Uma alimentação equilibrada é fundamental para a ingestão de nutrientes como ferro, zinco, selênio e vitaminas B e D, responsáveis por manter a força e a saúde das unhas. Como elas também são compostas basicamente por proteína, alimentos com essa substância não podem faltar no prato.

Em casos de restrição alimentar, é importante buscar um nutricionista para obter alternativas e não deixar nenhum desses elementos fora da sua dieta.

 
Alterações endocrinológicas

De acordo com Tatiana, as unhas fracas podem ser consequência de doenças na tireoide, ou seja, tanto no hipotireoidismo, quanto no hipertireoidismo. Isso porque a tireoide é a glândula responsável pela produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), que regulam diversas funções no organismo.

No caso do hipotireoidismo, ocorre uma diminuição no metabolismo e no transporte de nutrientes pelo corpo em decorrência da redução na produção dos hormônios T3 e T4. Já no hipertireoidismo, acontece o contrário. Esses hormônios são produzidos em abundância, o que pode provocar o crescimento acelerado das unhas, mas, em contrapartida, também deixá-las bem mais frágeis.

É preciso ficar atento, pois ambas as doenças normalmente vêm acompanhadas de outros sintomas, como ganho ou perda inexplicável de peso, cansaço, queda de cabelo, colesterol alto e anemia. “Em geral, quando a doença é mais séria, a pessoa tem outros sintomas além da unha fraca”, informa Tatiana.

 

Doenças dermatológicas

A dermatologista explica que existem doenças próprias das unhas que podem prejudicá-las, como eczema, psoríase ungueal e líquen plano ungueal. O eczema é uma irritação na pele que pode causar vários tipos de lesões em diferentes áreas do corpo.

A psoríase ungueal ocorre quando as células de defesa do corpo atacam as unhas. Quando isso acontece, elas podem ficar onduladas, deformadas, quebradiças, grossas ou com manchas brancas ou marrons.

Já o líquen plano ungueal pode ser caracterizado por alterações na raiz, abaixo e ao redor da unha. Essas alterações podem ser estrias, fendas ou em relação ao tamanho ou à cor da unha. Em alguns casos, pode ocorrer o descolamento da mesma na região próxima da cutícula.

Em todos as situações, o indicado é buscar um dermatologista para tratar essas doenças e, depois, fortalecer as unhas.

 

Traumas de repetição

“Os traumas de repetição podem ser bem comuns em tecladistas, pianistas, pessoas que mexem com artesanato ou com produtos de limpeza e ciclos de lavagem e secagem”, conta Tatiana. Ou seja, atividades rotineiras que costumam gerar atrito nas unhas. Outros tipos de trauma também podem ser provocados por causa do hábito de roer unhas ou o de teclar no computador com as pontas dos dedos. Essas ações podem quebrar as unhas ou prejudicar sua estrutura.

Para a médica, é preciso ter cuidado quando usar muito as mãos, como nos casos de trabalhos manuais e domésticos. “É importante usar luvas sempre que possível e evitar manter as unhas muito compridas”.

 

Excesso de manicure

O excesso de manicure, uso de esmaltes e a remoção de cutículas também podem provocar unhas fracas, afirma Tatiana. Em primeiro lugar, é preciso tomar cuidado com o material usado na hora da manicure. Veja sempre se todos os equipamentos estão bem higienizados antes do uso, pois o uso compartilhado deles pode gerar infecções e algumas doenças, como micose. Mesmo que você utilize seu próprio material, tenha certeza se tudo está bem limpo.

A acetona também pode se mostrar um problema, já que desidrata, gera manchas e enfraquece as unhas. O ideal é substituí-lo pelo removedor de esmalte, que é menos abrasivo, ou seja, provoca menos desgaste.

Outra atitude bem comum às brasileiras e que pode ser bem prejudicial é a remoção das cutículas. Elas existem para proteger e impedir a entrada de bactérias e vírus dentro da pele ao redor da unha. Quando são retiradas, a região em volta enfraquece.

 

Dicas para fortalecer unhas fracas

Existem várias formas de cuidar das unhas, mas é necessário descobrir antes o que está por trás da fraqueza delas. “Em primeiro lugar, precisamos entender a origem do problema. Se for possível, afastar a causa e evitar traumas desnecessários”, explica Tatiana.

Para alguns casos, basta melhorar os hábitos de higiene e de alimentação. Em outros, é indispensável buscar a ajuda de um profissional, como um dermatologista. Confira abaixo alguns métodos fáceis que podem ser aplicados no seu dia a dia, mas que podem fazer a diferença na saúde das suas unhas.

 

Coma mais alimentos ricos em vitaminas e proteínas

Produtos como leite e derivados, ovo, gelatina, carne, espinafre, abacate, couve e batata doce podem ajudar a fortalecer suas unhas, pois são ricos em diferentes tipos de vitaminas além de ferro, cálcio e proteína.

 

Proteja suas mãos e unhas

Use luvas de borracha quando manusear produtos de limpeza ou quando realizar tarefas domésticas. Essa proteção ajuda a manter as unhas longe de químicos que podem prejudicá-las e do atrito provocado pelos movimentos de limpeza.

 

Abuse dos cremes hidratantes

Mãos e unhas hidratadas são sinônimo de cuidado. Por isso, lembre-se sempre de passar um pouco de creme hidratante todos os dias. Além de fortalecer as unhas e evitar o ressecamento, os hidratantes também ajudam a cuidar da cutícula, que não precisa ser retirada na hora de fazer a manicure.

 

Evite acetona

Como explicado anteriormente, a acetona não é o produto mais indicado para remover esmaltes, já que pode deixá-las ainda mais fragilizadas. Opte sempre por um removedor sem acetona.

 

Vá ao médico

Lembre-se que unhas fracas podem ser o indício de alguma doença mais séria. Por isso, não demore para procurar um profissional especializado e cuidar da sua saúde.
 

Fonte:Instituto de Longevidade Mongeral Aego | institutomongeralaegon.org

LEIA MAIS

Como já falamos em vários textos desse blog, a unha encravada nada mais é do que o resultado de uma “briga” por espaço entre a pele ao redor e a unha propriamente dita. Isso pode acontecer por uma série de motivos, entre eles: o formato da unha, o uso de sapatos apertados, predisposição genética, e também o corte errado, quando arredondamos os cantinhos das unhas dos pés.

 

O principal sintoma da unha encravada é a dor! E isso pode ser notado sempre que a unha passa a incomodar dentro do sapato, ao apertamos o dedo, ao andar, ao calçar uma meia e, nos casos mais graves, com o simples toque do lençol. Essa dor pode ser a única alteração que observamos, mas, em seguida, pode surgir uma inflamação. Nesse momento, a pele da unha inflamada fica vermelha, inchada e quente, podendo sangrar e drenar pus.

 

Em um texto desse blog contamos o que é possível fazer quando alguém está só com dor: há algumas coisas que podem ser tentadas em casa, antes de procurar ajuda médica. Mas, se já está inflamado, ou se mesmo seguindo os passos mencionados neste artigo ocorrer a inflamação, procure IMEDIATAMENTE um médico especialista.

 

Quando essas recomendações que você já leu não forem capazes de resolver o problema após quinze dias, você precisará procurar o médico.  O dermatologista está apto a fazer o tratamento necessário.

 

Nesse post mostramos uma unha encravada antes e depois do tratamento cirúrgico. Observe que as fotos foram feitas com um ano de diferença!

Antes

Depois

Logo que fazemos a cirurgia não fica esteticamente bom de imediato. Outra coisa: sempre que a dobra (pele) está aumentada vale a pena abordar e retirar.

 

O inconveniente é dor e sangramento, mas o resultado estético é superior.

Foi exatamente isso que fizemos nesse caso: retirada do canto combinada à matricectomia química com fenol.

 

A matricectomia é o procedimento que “mata a fábrica” da unha. Assim, fica muito mais difícil que a unha encrave novamente!

 

Gostou? Tem diversos tipos de cirurgia para diversos tipos de encravamento e para pacientes diferentes! Veja mais sobre esse assunto aqui mesmo!

 

Dra. Tatiana Gabbi | www.tatianagabbi.com.br

 

 

 

 

LEIA MAIS

A unha encravada acontece quando a unha briga por um espaço nos cantinhos, trazendo inflamações, dores, possíveis infecções e pus.

Já a unha encravada traumática, é aquela que acontece por causa de algum “trauma”, como, por exemplo: você foi à manicure e ela machucou o cantinho da unha, fazendo com que ela ficasse inflamada.

A unha encravada pode ser aguda ou crônica, tudo depende de ter ou não infecção ou quadro inflamatório.

Quer saber mais sobre como tratar unha encravada por trauma e o que fazer nessa situação dolorosa? Fique aqui comigo até o final!

Causas para unha encravada

Existem vários motivos para a unha encravada por trauma, mas algumas delas são:

1 – Corte inadequado: ao cortar a unha muito curta, ela acaba ficando para dentro da dobra da pele do seu dedo, o que provoca uma lesão traumática, já que é empurrada para cima quando você anda ou apoia o peso).

2 – Sapatos apertados: quando você usa um sapato bem apertado com frequência, acaba espremendo os dedos e fazendo com que a pele fique em cima da unha.

3 – Corte arredondado: além de não cortar muito curta, é importante também não deixar as pontas das unhas arredondadas, já que isso facilita para que a unha fique embaixo da pele.

4 – Variações anatômicas: um exemplo é quem tem as unhas curvadas.

5 – Onicomicose: é uma infecção fúngica da unha, mais conhecida como micose.

6 – Lesões traumáticas: determinadas batidas nas unhas ou quedas podem causar um trauma e resultar na unha encravada.

 

E como tratar a unha encravada, afinal?

 

Não tratar unha encravada é uma péssima ideia, já que a ferida piora e ainda começa a apresentar pus e secreção – isso sem contar com a dor que vai sentir.

Se você tem diabetes, imunidade comprometida ou problema circulatório, deve se preocupar ainda mais com o assunto.

Quer saber quais atitudes tomar nesses casos? Confira o vídeo acima que eu fiz dando dicas incríveis para te ajudar!

Ainda tem dúvidas? Sem problemas! É só deixar um comentário lá no Facebook que eu te respondo.

LEIA MAIS

Já fiz um post aqui falando sobre dúvidas em cirurgia da unha. Mas, no post de hoje, eu quero discutir um pouco sobre quais cirurgias podem ser feitas e também por que é necessário!

A cirurgia mais frequentemente realizada é sem dúvida a da unha encravada. E eu também já falei sobre isso aqui.

A onicocriptose (unha encravada) acontece quando uma das pontas da sua unha penetra na pele que está em volta. O encravamento acaba acarretando inflamação e vermelhidão na pele em volta das unhas e dor de intensidade variável.

A cirurgia não é o único tratamento possível e tem muita coisa que você pode fazer para não agravar a situação. Saiba mais aqui.

 

Outras cirurgias ungueais

Algumas das cirurgias ungueais mais conhecidas são: matricectomia e cantoplastia. Essas e outras cirurgias das unhas são indicadas para:
● Aliviar a dor das unhas encravadas;
● Fazer biópsia para diagnosticar e tratar doenças na unha;
● Tratar hipertrofias de dobras laterais e anterior por causa dos processos inflamatórios de longa data;
● Remover tumores.

Dependendo do seu problema e de como ele se apresenta, existe um tratamento indicado. Mas lembre-se de que é importante sempre conversar com um profissional sobre o seu problema, já que ele é quem saberá te indicar o correto.

P.S.: Você pode se certificar de que ele é um profissional, procurando pelo registro na SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia).

Mas para que você já conheça alguns dos procedimentos mais usados, resolvi passar uma explicação rápida por aqui. Confira!

 

Os procedimentos mais usados

-> Fenolização: essa técnica pouco invasiva consiste em aplicar um ácido (fenol 88%) para destruir a porção encravada da unha e fazer a remodelação. Já falei sobre isso aqui.

-> Cantoplastia: é quando se tira, cirurgicamente, a hiperplasia, que várias vezes acaba se dobrando sobre os cantos das unhas (causando inflamações e sangramentos).
Em geral, é uma cirurgia que recebe pontos e que tem um pós operatório mais doloroso. Eu prefiro evitar esse procedimento e, se for possível, fazer a fenolização porque a recuperação é mais lenta! Mas muitas vezes a dobra está muito aumentada e não temos escolha!

-> Matricectomia: retira-se uma parte da matriz (fábrica da unha), adequando a unha ao leito. É importante fazer no caso de tumores que nascem na matriz, como as melanoníquias estriadas e os onicomatricomas.

-> Onicoplastia: junta todas as técnicas anteriores e é a mais realizada, já que muitas pessoas só procuram tratamento quando já tem anos de inflamação e que já apresentam alterações da anatomia do dedo. É feito uma plástica ungueal, tentando recuperar função e aparência.

E então, tem alguma dúvida sobre o assunto? Fala comigo no Facebook ou Instagram e vamos conversar sobre tumor na unha. Te espero no próximo artigo!

LEIA MAIS

O tumor glômico é um tumor benigno que dói bastante. Eu já falei dele em uma entrevista que fiz para o R7 e repliquei aqui.

Nesse artigo, eu vou focar um pouco mais nesse tipo de lesão e explicar como é a cirurgia e porque precisamos fazer, já que se trata de um tumor benigno.

A aparência do tumor glômico é de uma lesão azulada, arroxeada ou avermelhada na unha com ou sem destruição da lâmina.

Tudo isso acontece porque uma estrutura que existe na ponta do dedo se prolifera e cresce. Essa estrutura regula a passagem do sangue nas extremidades do corpo e contrai no frio, para manter o sangue mais central.

É por esse motivo que esse tipo de lesão dói…

Essa contração ocorre de forma indolor, quando a estrutura está normal, mas quando ela se prolifera podemos sentir uma dor muito aguda. Se ela atingir a matriz ou fábrica da unha, teremos o comprometimento da unha que ficará quebrada.


O que fazer nesses casos?

A primeira providência que precisamos tomar ao suspeitar desse tipo de alteração é solicitar exames para que possamos entender que tipo de lesão existe, o tamanho dela e a localização exata.

Sabendo isso, o procedimento se torna muito mais simples, porque é possível retirar apenas a parte que ficou proliferada, preservando a matriz e o leito, com resultados estéticos muito bons!

Muitas vezes, o próprio tumor glômico já pode ter causado uma destruição permanente na fábrica da unha. Nesses casos, o resultado estético não será tão bom, mas a cirurgia é muito bem vinda porque resolve a dor, que pode ser incapacitante.

Procure um médico especialista da Sociedade Brasileira de Dermatologia e que esteja familiarizado com esse tipo de procedimento!

Quer tirar alguma dúvida do assunto? Deixe um comentário e vou te auxiliar!

LEIA MAIS

A exostose subungueal é um tumor ósseo benigno. Um pedacinho de osso cresce com o passar do tempo e vai empurrando o leito da unha até aparecer embaixo da lâmina como uma massa dura que pode crescer e ulcerar.

Muita gente confunde com micose, verruga, trauma…

É comum as pessoas demorarem a procurar o médico. Alguns nunca chegam a procurar.

Mas essa é uma lesão dolorosa da unha porque o osso empurra e machuca, principalmente ao calçar os sapatos. Para o correto diagnóstico é muito importante fazer um exame de imagem, geralmente a radiografia ou raio-x. Na imagem, a gente consegue ver o osso crescendo e entender o que está acontecendo.

O tratamento é cirúrgico: precisamos remover esse osso que cresceu desde a base. A recuperação é rápida e a dor do período pós operatório é bastante suportável com o uso de analgésicos.

 

 

E aí, o que achou do post? Você já passou por isso ou conhece alguém que tem exostose subungueal? Comente aqui embaixo!

LEIA MAIS