Olá a todos! Eu sou a Dra. Tatiana Gabbi, médica dermatologista, e o assunto que quero tratar aqui hoje é unha encravada em bebê!

As unhas encravadas podem acometer qualquer faixa etária, inclusive bebês e recém nascidos – e o tratamento deve ser iniciado o quanto antes, para evitar agravamento da condição ou até futuras sequelas.

Entenda mais sobre essa condição, como preveni-la, o que você pode e deve fazer caso ela aconteça e também o que NÃO PODE ser feito se o seu bebê estiver com as unhas encravadas no texto de hoje!

 

O que é a unha encravada e por que ela ocorre?

A unha encravada é caracterizada por quando a borda desta unha cresce e entra na pele ao redor do dedo, podendo ocasionar dor, inchaço, vermelhidão e até infecção. Uma unha se encrava devido a vários fatores, como colocar pressão extra sobre as unhas e corte incorreto.

O corte incorreto é quando as unhas são deixadas muito curtas ou com as bordas arredondadas ao invés de retas.

Sobre pressão extra, é o caso de, por exemplo, uso de sapatos muito apertados ou largos, ou deformidades pré-existentes. No caso de bebês, essa pressão ocorre quando usam, por exemplo, meias e macacões que vestem até os pés, os tip tops.

 

Unha encravada em bebê

A unha encravada pode ocorrer na primeira infância, em recém nascidos e alguns bebês podem até já nascer com as unhas dos pés encravadas.

Isso acontece devido a um aumento congênito da pele que fica ao redor da unha do bebê ou, ainda, devido a um desalinhamento entre o eixo do dedo e o eixo da unha.

Como explicado anteriormente, meias e sapatinhos apertados, que pressionam os pés do bebê, bem como macacões que cobrem os pés (tip tops) podem ser causadores do problema ou agravar ainda mais a condição das unhas encravadas.

 

O que fazer se meu bebê apresentar esse quadro?

A primeira coisa que você tem que saber sobre o tratamento de unhas encravadas em bebê é que, se você tem uma criança com esse problema, não tente cortar a unha ou desencravar sozinho! Isso pode agravar o quadro e levar à infecção do dedo.

A atitude mais correta é procurar um médico dermatologista, para iniciar o tratamento o quanto antes.

É comum que essa doença apresente resolução espontânea, apesar do tratamento, o que faz com que nem sempre o acompanhamento médico seja necessário, no entanto, a consulta é importante, especialmente em casos onde haja inflamação, infecção, dor ou deformidade.

Estou disponível para vídeo consultas enquanto durar a pandemia, e também atendo de forma presencial, no meu consultório no bairro Jardim Paulista, com horários espaçados e todos os cuidados necessários para garantir o bem estar dos pacientes nesse momento que estamos vivendo.

Se você quiser marcar uma consulta, você pode clicar aqui para entrar em contato!

Mas há sim atitudes que podem e devem ser tomadas em casa até a consulta com o médico. Aqui vão algumas dicas do que se fazer nesse caso:

 

7 atitudes que você deve ter no caso de unhas encravadas em bebê

1. Evite o uso de macacões tipo tip-top

2. Certifique-se que meias e sapatos não estejam apertando os dedinhos. Caso necessário, você pode fazer um pequeno orifício nelas onde o dedo que está com a unha encravada se encontra.

3. Corte as unhas de forma reta, e não arredonde os cantinhos.

4. O corte das unhas deve ser feito quando elas estiverem úmidas

5. Não corte ou cutuque a unha encravada em hipótese alguma

6. Higiene! Limpe o local com sabonetes antissépticos, mesmo que o bebê reclame. Caso tenha dificuldade em fazer isso, você pode colocar os pés do bebê de molho em uma solução com sabonete e água e depois enxaguar de forma abundante.

7. Consulte um médico dermatologista para iniciar o tratamento adequado.

Felizmente há tratamento para esses pacientes, e a grande maioria deles não precisará de tratamento cirúrgico! Confira a seguir sobre o tratamento:

 

Como é o tratamento de unhas encravadas em bebê?

A escolha do tratamento vai depender do quadro clínico da criança, sua idade, condição geral de saúde e existência ou não de outras doenças, e também do quão grave a condição de encravamento está.

Como a pele nessa faixa etária é muito fina, podemos fazer tratamento com pomadas, massagens e curativos, com excelentes respostas! Apenas uma pequena parte desses pacientes vai continuar com os sintomas, levando à necessidade de cirurgia.

É possível administrar cremes tópicos com antibióticos (associados ou não à corticoides) antibióticos orais, uso de curativos e órteses, mas tudo vai depender dessa avaliação feita pelo médico dermatologista.

Caso o grau de inflamação e encravamento esteja elevado, causando dor extrema, ou exista doenças pré existentes como a diabetes, por exemplo, a cirurgia pode se fazer necessária.

A intervenção cirúrgica mais comum para unhas encravadas em bebês consiste na retirada da pele que cresceu ao redor da unha, e muitas vezes a necessidade de pontos é dispensada.

 

Quanto tempo dura o tratamento?

O tratamento clínico é longo e pode levar meses. Quanto mais cedo o tratamento for iniciado, melhor – dessa forma evita-se a evolução para quadros piores da condição, bem como sequelas.

 

Você ainda tem dúvidas?

Existem várias formas de tratamento para os problemas de unhas infantis. Para que sejam efetivos, é necessário consultar com um dermatologista.

Caso você tenha dúvidas à respeito de unhas encravadas ou outros problemas de unhas em crianças, você pode comentar a sua dúvida aqui embaixo ou falar lá nas minhas redes sociais:

– Facebook

– Instagram

PS: Se esse é um tipo de conteúdo que te interessa, me segue lá no Instagram, onde posto muitas coisas legais!

Um beijo, e até a próxima!

Publicado por Dra. Tatiana Gabbi

LEIA MAIS

Olá! Eu sou a Dra. Tatiana Gabbi, médica dermatologista, e hoje vim aqui para conversar sobre unhas e cutículas!

Como tratar as cutículas? Como fazer para não tirar mais cutícula? Qual a importância de hidratar a cutícula? Como lidar com as pelinhas soltas da cutícula? Como limpar as unhas adequadamente?

Se você tem essas dúvidas, ou deseja cuidar melhor das suas unhas, continue lendo, pois serão esses os assuntos tratados nesse post! Vamos lá?

 

Como cuidar das cutículas das unhas?

Aqui no Brasil quase ninguém consegue ficar de boa com as cutículas, sempre as retirando!  O que eu mais recomendo é, sem dúvida nenhuma, a hidratação!

Os outros métodos são mais agressivos e podem levar a traumas e cuticulites.

Falo isso sempre: hidrate! É a melhor opção.

São 4 formas principais de lidar com isso:

1. Hidratar com óleos, cremes hidratantes e até os cremes de tratamento do rosto

2. Cortar seja com alicate (manicure úmida)

3.  Cureta (que pode ser seca)

4. Usar cremes removedores de cutículas e empurrar com espátula.

 

O que fazer com as pelinhas soltas em volta da unha?

Outra dúvida comum em relação ao cuidado com as unhas são as pelinhas que aparecem em volta da unha. Essas pelinhas soltas que levantam são pedacinhos das cutículas que se separaram!

Vamos entender o porquê disso acontecer?

Vou falar as 4 causas mais comuns, e quais são as soluções para lidar com esse problema em cada caso:

 

1- Pele seca das mãos

Exposição ao frio, ao tempo seco, tipo de pele, falta de hidratação.

Solução: hidratação, uso de luvas para aquecer as mãos, tratamento das condições de base.

 

2- Trauma

Você retira as cutículas, cutuca as unhas ou tem o vício de roer unhas? Isso pode levar as cutículas a se separarem e gerar essas pelinhas incômodas.

Solução: hidratar em vez de remover as cutículas, parar de cutucar/roer as unhas e procurar tratamento, caso não consiga fazer isso por si só.

 

3- Deficiências nutricionais

A falta de proteínas pode levar a fragilidade das unhas e produzir casos semelhantes.

Solução: equilíbrio na alimentação

 

4- Interação com produtos

Situações como dermatite de contato, manejo frequente de produtos irritantes, como produtos de limpeza e lavagens excessivas das mãos podem tornar a pele das mãos áspera, inflamada e descamativa. Isso também pode acabar reproduzindo essas pelinhas ao redor dos dedos em quadros mais leves.

Solução: tratamento com dermatologista, seguindo de forma correta as orientações. Esse tipo de problema em geral é bem crônico e demora a melhorar!

Estou disponível para vídeo consultas enquanto durar a pandemia, e também atendo de forma presencial, no meu consultório no bairro Jardim Paulista, com horários espaçados e todos os cuidados necessários para garantir o bem estar dos pacientes nesse momento que estamos vivendo.

Se você quiser marcar uma consulta, você pode clicar aqui para entrar em contato!

 

Qual a forma correta de limpar embaixo das unhas?

Você limpa embaixo das unhas utilizando um palitinho de laranjeira?

Por muito tempo eu mesma usei o palitinho para limpar embaixo das minhas unhas. Inclusive uma vez eu me machuquei e em outra situação descolei uma unha… e demorou bastante para ela voltar a colar!

Na faculdade, quando vamos aprender a desinfecção das mãos, aprendemos a estratégia da escovação. E antigamente vinha um palitinho, justamente para cutucar embaixo das unhas. Isso não é mais recomendado! Entenda o porquê:

Há uma estrutura importante embaixo da unha, responsável pelo “decolar” da unha. Ela fica na parte final do leito e faz com que a unha se desgrude do leito. É também o local em que a unha é mais aderida!

Isso não deve ser removido de nenhum jeito porque faz com que a unha fique descolada e aumente o risco de infecção, tanto por fungos como por bactérias.

Portanto, cutucar essa região com pauzinho de laranjeira com o objetivo de limpar não é indicado! A melhor forma de limpar é com uma escovinha, de preferência de cerdas macias e suaves, e sem muita pressão.

Dra-Tatiana-Gabbi-como-cuidar-das-unhas-e-cuticulas-de-forma-adequada-forma-correta-de-limpar-as-unhas

Você pode dar uma olhada em outros artigos que tenho sobre o assunto, clicando aqui, ou, se você quiser tirar dúvidas rápidas sobre cabelos, nutrição ou outros assuntos dermatológicos, você pode comentar a sua dúvida aqui embaixo ou falar lá nas minhas redes sociais:

 

Publicado por Dra. Tatiana Gabbi

LEIA MAIS

Olá a todos! Eu sou a Dra. Tatiana Gabbi, médica dermatologista, e hoje estou aqui para falar com vocês sobre unhas de gel!

Elas estragam as unhas naturais?

Quem tem unhas frágeis pode usar?

Quais são as indicações para aplicar unhas em gel?

Vou responder a todas essas perguntas e ensinar uma técnica para facilitar a vida de quem sofre com unhas frágeis, que descamam e quebram na ponta, atrapalhando a boa manicure dessa unha.

Continue lendo!

 

Unhas de gel podem causar problemas nas unhas naturais?

Sim. Mas não pela unha de gel em si (exceto por 2 casos que explicarei logo abaixo, que realmente não podem usar a unha de gel) , e sim pelo tamanho. Entenda:

Grande parte dos problemas que podem surgir nas unhas vem através do trauma nas unhas, e com as unhas em gel, você cria uma situação que chamamos de alavanca.

O que isso significa?

A ponta da unha, quando ela é muito mais comprida do que o resto do dedo, qualquer pequeno trauma que você faça na ponta do dedo vai transmitir um grande trauma para a raiz da unha e, como aquilo é extremamente bem grudado, você pode ter laceração de leito.

Laceração de leito é quando a pessoa arranca um pedaço do leito da unha, o lugar onde a unha está grudada, por conta de você ter uma unha muito comprida. Isso pode acontecer com unha natural também, é algo relacionado ao comprimento da unha.

Além disso, o alongamento de unhas é algo que dificulta a própria função da unha, que é pegar os objetos.  Com uma unha artificial muito comprida, você não consegue fazer as coisas direito, o que facilita ainda mais a ocorrência de traumas.

 

Quem NÃO pode colocar unhas em gel?

Existem 2 casos onde, independente do alongamento da unha em gel, elas não podem ser colocadas. São eles:

1. Quem tem unhas frágeis

2. Quem possui alergia ao acrilato

Quem tem unha frágil não pode alongar as unhas, pois existe o risco de você fragilizar cada vez mais essa estrutura, e comprometer a integridade da unha, causando uma situação que chamamos de “unha abîmé”, em francês, que significa detonada, uma unha que acabou.

Quem tem alergia ao acrilato: se você tem alergia ao acrilato e colocar unhas em gel, é MUITO problemático.  Na hora que você retirar essa unha artificial, estará tudo descolado, com pseudomonas (uma bactéria verde que vem por cima), e isso vai gerar muitos problemas.

 

Quais as indicações para utilizar unhas em gel?

Tem indicação para colocação de unhas de gel do ponto de vista dermatológico sim!

Na minha opinião, elas são válidas para os seguintes casos:

– Nas pessoas que têm o hábito de roer as unhas, que é péssimo, então você consegue devolver um bom aspecto para a unha e dificultar o ato de roer.

– Quando você tem uma doença que destruiu a unha, seja ela cirúrgica ou uma doença inflamatória, que você já tratou, já curou, mas ficou uma sequela, e você quer devolver a naturalidade para aquela unha.

Se a pessoa só tem a unha fraca, a melhor opção para essa pessoa é usar o esmalte em gel, só o produto, pois ele vai aderir, mas não ao alongamento com as unhas em gel. Entenda a seguir:

 

Esmalte em gel – opção para quem tem unhas fracas

O esmalte em gel e a extensão em gel (unhas em gel) são coisas distintas.

Existem várias técnicas para se alongar a unha, você pode fazer com fibra e moldar, esculpir uma unha em cima da sua própria, ou colar uma unha e usar o esmalte em gel para trabalhar aquela unha, ficar esmaltada, e tudo mais.

Quando você termina de fazer a unha esculpida e você vai dar a naturalidade para a unha, você usa um esmalte em gel, que é um esmalte que vai na câmara de ultravioleta ou na câmara de LED, para curar. Ele é usado para fixar, e aquilo não sai fácil.

O esmalte em gel é o produto que você usa para pintar, e realizar um processo que chamamos de selagem, que consiste em só aplicar a base, a qual eu sou super favorável.

Se você colocar uma camada desse esmalte em gel, você sela a unha, então você pode usar qualquer outro tipo de esmalte que não descama, que é a queixa de quem tem unhas fracas, e isso é o máximo que eu acho que dá para fazer para quem tem unhas fracas.

Essa é uma técnica descrita inclusive em artigo científico, pois na unha frágil, você tem uma descamação da ponta da unha, não é do resto. Então se você tiver essa selagem bem fininha, vai ajudar em relação a essa descamação, quebra e duração do esmalte.

A proposta aqui, é você não remover isso, é deixar lá, e ir esmaltando, e só retirar o esmalte por cima, até a unha crescer. Mas essa técnica deve ser feita apenas em manicures que saibam fazer a selagem.

Precisa também ser com um esmalte que não seja peel off, que é aquele que você consegue retirar. Esse tipo de esmalte em gel peel off não serve para unhas frágeis, é necessário ser o tipo que realmente fica, para só fazer uma camada e não tirar, e ir esmaltando por 3 meses, até você cortar o último pedaço.

 

Unha artificial colada (como as de farmácia)

A unha artificial colada, do tipo que você compra em farmácias ou lojas de cosméticos, é uma opção mais inofensiva que a unha em gel, mas ainda assim não é livre de riscos, pois a unha da farmácia pode lacerar a sua unha na hora de retirar, dando um aspecto áspero na superfície da unha, o que gera a necessidade de hidratação.

A minha dica para retirar esse tipo de unha é deixá-la de molho em água morna com sabonete.

 

Você ainda tem dúvidas sobre o assunto?

Se você ainda tem dúvidas acerca de unhas de gel, deixe aqui nos comentários que eu respondo!

E se você gosta de conteúdos como esse, me siga também no Instagram, onde sempre posto dicas interessantes!

Um beijo e até a próxima!

 

Publicado por Dra. Tatiana Gabbi

Dra-Tatiana-Gabbi-unhas-de-gel-estragam-as-unhas-naturais

Tags:
LEIA MAIS

Olá a todos! Eu sou a Dra. Tatiana Gabbi, médica dermatologista, e no post de hoje, quero tratar de um dos problemas mais recorrentes na prática de um dermatologista, que é o descolamento de unha.

O descolamento de unha é uma ocorrência frequente, podendo estar associada a traumas ou a outras causas, como algumas doenças e a micose.

Se você tem dúvidas sobre o que é o descolamento das unhas, como saber se é um descolamento simples ou uma micose, como se trata e o que não se deve fazer no caso de ter um descolamento, esse post irá responder às suas perguntas.

Continue lendo!

 

O que é o descolamento de unha?

Para entender o que é o descolamento de unha, primeiro é preciso entender um pouco sobre essa estrutura, que é a unha.

Como dermatologistas, chamamos de unha tudo o que acontece na ponta do dedo, enquanto o que o paciente vai chamar de unha, é na verdade a lâmina ungueal, a parte dura da estrutura.

Essa lâmina ungueal fica em cima de uma outra estrutura que recebe o nome de leito ungueal: tudo que está abaixo da lâmina se chama leito ungueal.

Esse leito, é uma estrutura que gruda na unha, ele é super grudado. Tanto que, quando a gente percebe que há um descolamento do leito com a lâmina, existe dor, às vezes até sangramento, devido a grande aderência entre eles.

Portanto, quando falamos sobre descolamento, nos referimos a essa perda de aderência entre a lâmina ungueal e o leito ungueal.

 

Quais são as causas do descolamento das unhas?

O descolamento simples acontece justamente quando a gente tem algum tipo de trauma.

Isso pode acontecer, por exemplo, quando se está com a unha comprida, ou quando a gente dá uma topada, colide com alguma coisa ou até o uso de sapatos inadequados, e então, acontece o descolamento. Ou seja, o leito ungueal vai soltar da placa da unha, vai entrar ar ali e vai ficar branquinho.

Isso faz com que haja uma maior chance de aparecer um fungo também.

Então, sempre que há um descolamento, precisamos sim, pensar na possibilidade de micose, e como dermatologistas, temos algumas técnicas para poder fazer o diagnóstico, como, por exemplo, podemos usar um aparelho chamado dermatoscópio para averiguar, ou, ainda, pedir um exame a para poder ver se há fungo ou não.

Além disso, ele pode decorrer de uma micose, uma doença como a psoríase ou até um tumor (benigno ou maligno) – por isso é muito importante que você sempre procure um médico dermatologista quando houver um descolamento de unha.

 

Descolamento e micose

Quando falamos de micose nas unhas, estamos falando sobre uma infecção causada por fungos, que têm um aspecto de descolamento da unha.

Geralmente, a unha está aumentada, espessada e embaixo da unha tem esse descolamento com um pouco de descamação.

A micose nas unhas é confundida com descolamentos simples e, até mesmo, com tumores benignos ou malignos, que merecem um cuidado e tratamento especial.

Por esse motivo, é tão importante fazer o diagnóstico correto.

 

O que o paciente deve fazer até procurar a ajuda de um médico dermatologista, no caso de descolamento?

São 2 regras que você TEM que seguir se notar descolamento nas unhas:

1. Não cutucar

2. Não limpar

O descolamento resulta na formação de uma massa branca, que é a cicatrização dessa estrutura, algo que os pacientes acham horrível, acham sujo, e querem limpar, cavando aquilo cada vez mais.

E aí, às vezes um descolamento que estava só na pontinha do dedo chega até a raiz da unha, próximo da cutícula, da matriz, da fábrica, porque a pessoa ficou limpando – e aquilo leva muito tempo para grudar novamente.

Não limpe essa massa branca. Ela é a casquinha da cicatrização.

 

É preciso arrancar a unha no caso de descolamento?

Isso vai depender da extensão do descolamento e se há presença de fungo associado.

Arrancar é a última possibilidade.

Podemos pegar um onicoabrasão e lixar aquela região que está descolada, se for suficiente, e podemos inclusive, arrancar a unha caso se faça necessário, já que existem algumas micoses, em que, realmente é melhor remover a unha, já que existe a questão do biofilme que se forma quando tem um fungo.

Quando o fungo se forma como se fosse uma colônia, se organiza, a gente precisa mexer nessa organização, para conseguir realizar o tratamento.

Mas, se for um descolamento simples, é só o tempo. Não existe arrancar a unha com um descolamento simples, não vale a pena.

É preciso também entender que às vezes você tem uma anatomia diferente do seu dedo, você pode ser aquela pessoa que gosta de usar tênis, sapato bico fino, e se você arrancar a unha e continuar com o mesmo hábito, a sua unha sempre vai ter a chance de descolar.

 

Então, o que deve ser feito no descolamento de unhas?

O que você deve fazer nesse caso é procurar um médico dermatologista, somente este poderá dizer a causa e qual é o melhor curso de tratamento.

Caso você precise de ajuda, clique aqui para entrar em contato comigo sobre suas dúvidas, ou marcar uma consulta!

Estou disponível para vídeo consultas enquanto durar a pandemia, e também atendo de forma presencial, no meu consultório no bairro Jardim Paulista, com horários espaçados e todos os cuidados necessários para garantir o bem estar dos pacientes nesse momento que estamos vivendo.

Um beijo, e até a próxima!

PS: Se esse é um tipo de conteúdo que te interessa, me segue lá no Instagram, onde posto muitas coisas legais!

Publicado pir Dra. Tatiana Gabbi

LEIA MAIS

Olá! Eu sou a Dra. Tatiana Gabbi, médica dermatologista, e hoje vamos falar de uma dúvida muito comum: unha com mancha branca – o que pode ser?

Manchas brancas nas unhas é uma queixa super comum tanto na minha prática quanto nos comentários que recebo nas minhas redes sociais.

“Unha com mancha branca pode ser alguma doença? Está ligado à falta de vitamina? Quais são as causas?”

Para você tirar suas dúvidas, ficar mais informado e tranquilo sobre essa ocorrência, fiz esse artigo para explicar mais sobre o assunto.

Então, se você tem uma unha com mancha branca, seja nos pés ou nas mãos, continue lendo para tirar as suas dúvidas!

Vamos lá?

 

O que causa uma unha com mancha branca?

As manchas brancas nas unhas tem várias causas.

Para que você fique mais tranquilo, a causa mais comum do aparecimento dessas manchas é devido a traumas.

Por trauma entendemos tudo aquilo que causa um impacto físico nas unhas: seja o uso de um sapato inadequado, manicure, um chute em uma bola de futebol ou até digitar e tocar instrumentos.

Vamos entender melhor:

 

Traumas nas unhas

Unha com manchas brancas bem pequenas geralmente acontecem por pequenos traumas, como por exemplo, empurrar as cutículas, cutucar as unhas, mordê-las, ou outras práticas como citei logo acima, que fazemos na fábrica da unha.

Quando esse trauma é mais leve, ele pega só a parte superficial da unha, e não a fábrica da unha, que é responsável pela produção das unhas, que chamamos de matriz, e fica dentro da cutícula.Manchas brancas unh

No entanto, quando esse trauma é mais pesado e atinge a fábrica da unha, podem ocorrer maiores alterações como deformidades e a perda da unha.

 

Traumas na fábrica da unha

Pense na fábrica da unha como se fosse uma forma de bolo. Uma forma de bolo tem um formato específico, e o bolo que você fizer nessa forma, sempre vai sair nesse mesmo formato – assim como a sua unha.

Mas se essa forma ”amassou”, como por exemplo, caiu algo em cima da unha que atingiu essa estrutura, esse “bolo” (ou seja, a sua unha) vai sair amassado.

Tudo que acontecer na fábrica da unha, vai se refletir na formação da unha.

A unha fica em um lugar onde tem “muita coisa acontecendo”. Tem osso, articulação, a ponta do dedo. É um lugar super sujeito a trauma, afinal, pegamos coisas, andamos pra cá e pra lá, chutamos coisas. Então, é muito fácil de ocorrer um trauma, um hematoma, uma lesão (como um tumor benigno ou maligno), ou algo a ver com essas estruturas ao redor das unhas que podem alterar a formação da unha.

Então, nessas situações, pode acontecer que essa unha passe a crescer diferente, com algum tipo de defeito ou deformidade.

E sim, temos essa preocupação depois de um trauma: como essa unha vai nascer, depois que a condição melhorar? É necessário acompanhar para saber.

Então, para reforçar o entendimento, se ocorrer um trauma mais leve, a parte mais protegida da fábrica ainda produz a unha e não a perdemos. Para perder a unha, é necessário um trauma mais pesado.

 

Outros motivos que causam unha com mancha branca

Geralmente, as manchas brancas nas unhas acontecem devido a traumas, como dito, mas  há sim outras causas.

Essas causas podem ser doenças associadas, como alterações nos rins, do fígado, coração, pulmão, que também podem levar a manchas brancas.

Podem ser causadas por um fungo, a micose superficial branca, mas esse tipo de micose é mais rara.

E temos também a mancha branca de quem deixa o esmalte por muito tempo. Isso geralmente é causado pela dissolução por causa do esmalte. Nesse tipo de mancha, você sente que está áspero quando coloca a mão.

Sabemos que os esmaltes são solventes e eles têm a capacidade de degradar a queratina – proteína que forma nossa unha. Com isso, você tem a formação das pérolas de queratina e a deposição das manchas brancas nas unhas, que vão sair conforme você fizer um lixamento superficial e usar produtos hidratantes.

 

Como saber qual a causa das manchas brancas nas unhas?

Expliquei aqui o que pode causar manchas brancas nas unhas, mas apesar de geralmente elas se darem devido a traumas e manicure, se você está com esse tipo de alteração, é aconselhável consultar um médico dermatologista.

Estou disponível para vídeo consultas enquanto durar a pandemia, e também atendo de forma presencial, no meu consultório no bairro Jardim Paulista, com horários espaçados e todos os cuidados necessários para garantir o bem estar dos pacientes nesse momento que estamos vivendo.

Se você quiser marcar uma consulta, você pode clicar aqui para entrar em contato!

Ou, se você quiser tirar dúvidas rápidas sobre manchas brancas nas unhas ou outros assuntos dermatológicos, você pode comentar a sua dúvida aqui embaixo ou falar lá nas minhas redes sociais:

Facebook

Instagram

PS: Se esse é um tipo de conteúdo que te interessa, me segue lá no Instagram, onde posto muitas coisas legais!

Um beijo, e até a próxima!

Publicado por Dra. Tatiana Gabbi

Dra-Tatiana-Gabbi-unha-com-mancha-branca-o-que-pode-ser

LEIA MAIS

Olá! Eu sou a Dra. Tatiana Gabbi, médica dermatologista, e hoje estou aqui para falar sobre uma dúvida recorrente dos pacientes: unhas fracas e tireoide.

Existe alguma relação entre as unhas fracas e quebradiças e a tireoide?

Por que mesmo estando com a tireoide controlada percebo que minhas unhas estão frágeis?

A resposta é que sim, existe sim uma relação entre unhas fracas e tireoide. E nesse post eu vou explicar o que você precisa saber sobre o assunto!

Vamos lá? Continue lendo!

 

O que é a unha?

Para que você possa entender a relação entre unhas fracas e tireoide, vamos começar entendendo o que é essa estrutura – a unha.

Unhas são estruturas que cobrem os dedos, um apêndice cutâneo, uma coisa a mais que a pele tem que tem a função de proteção.

Do que elas são feitas?

As unhas são feitas de queratina, a mesma proteína que encontramos na pele e no cabelo, no entanto, falando de unhas, é uma queratina especial.

A queratina da pele é um tipo de queratina que chamamos de queratina mole, devido a sua estrutura, já a do cabelo e unhas, é a queratina dura, que tem a consistência mais firme.

É importante entender que a unha não é uma estrutura viva, ela não respira, e sua qualidade está ligada a outros fatores do nosso organismo.

 

O que é a unha fraca?

A Unha fraca é uma síndrome, e chamamos essa ocorrência de síndrome das unhas fracas.

Tudo na medicina que é síndrome, significa que abrimos um leque de diferentes possibilidades de doenças que podem causar esses sintomas. Logo, precisamos identificar a causa.

Unhas quebradiças, enroscando na roupa, nos cabelos, sofrem descamação, apresentam riscos – tudo isso é unha fraca. Mas as razões pelas quais isso acontece, podem ser diversas.

 

Mas por que uma pessoa tem unhas fracas?

Para cada indivíduo vai ter uma explicação diferente, e portanto, um tratamento diferente.

Isso é, não existe uma vitamina que vai curar todas as pessoas que têm unhas fracas.

Como expliquei no decorrer deste post, as causas por detrás das unhas frágeis podem ser diversas.

Para citar um exemplo: pense no seu cabelo. Quanto mais trauma você tem com o cabelo, como chapinha, tintura, mais danificado ele fica, correto? É a mesma coisa com a unha, se você lava muita louça, fica o dia inteiro digitando, quanto mais traumas, pior qualidade a unha terá.

Então, em uma avaliação, é preciso identificar doenças pré existentes, aspectos nutricionais e hábitos.

 

A relação entre unhas fracas e tireoide

Por que, quando um indivíduo que tenha uma doença da tireoide, mesmo que ela esteja controlada, ele apresenta fragilidades como unhas fracas?

Isso acontece pois ela está controlada artificialmente, então não necessariamente observamos a cura dessas questões. Explico:

Temos no nosso organismo, quando ele está funcionando perfeitamente, um microajuste de dose com qualquer coisa diferente que acontece no nosso ambiente.

Então a tireoide está preparada para produzir uma determinada quantidade de hormônio, de acordo com as nossas necessidades, conforme fazemos alguma coisa ou outra.

Quando estamos tomando um medicamento, ou seja, quando a tireoide não está mais produzindo aquele hormônio, a dose daquele hormônio é fixa, e às vezes, precisamos de um pouquinho a mais ou um pouquinho a menos em determinados dias e situações.

Isso significa que, na média, está tudo certo, para as coisas fundamentais do nosso organismo, mas para as micro coisas que a gente precisa, muitas vezes não é o suficiente, por que a tireoide na micro dose ali, pode estar alguma coisinha alterada, e aí pode prejudicar.

Cabelos e unhas são coisas que não são prioridades no nosso organismo.

Se você está com tudo no seu organismo ali “no talo”, no limite, o seu organismo irá priorizar proteínas e micronutrientes para as funções importantes – que não são cabelos e unhas. E por isso elas se tornam frágeis.

 

A unha frágil acontece muito por conta da perda de gordura

A gordura da pele junto com a queratina faz com que não saia nem entre água do nosso corpo para o meio ambiente, funcionando como uma barreira de proteção.

Na unha frágil a gordura que existe na unha é bem menor do que a que existe na pele ou cabelo, pois não temos uma glândula produzindo essa gordura, então é um lugar onde você tem maior facilidade de perder a gordura, e sabemos que doenças na tireoide fazem com que fiquemos com a pele, cabelo mais secos, etc.

Então o que acaba acontecendo é justamente isso, a gente perde um pouco dessa gordura que já estava no limite, e aí com isso, a gente não tem a água que hidrata a unha, ela vai se tornando seca e quebradiça.

Então, é por isso que temos unhas frágeis, mas a gênese, a origem dessa fragilidade ela varia de indivíduo para indivíduo.

 

Então, o que deve ser feito se tenho unhas frágeis e problemas na tireóide?

O que você deve fazer nesse caso é procurar um médico dermatologista, somente este poderá dizer se as unhas fracas estão realmente relacionadas à tireoide e qual é o melhor curso de tratamento.

Caso você precise de ajuda, clique aqui para entrar em contato comigo sobre suas dúvidas, ou marcar uma consulta!

Estou disponível para vídeo consultas enquanto durar a pandemia, e também atendo de forma presencial, no meu consultório no bairro Jardim Paulista, com horários espaçados e todos os cuidados necessários para garantir o bem estar dos pacientes nesse momento que estamos vivendo.

Um beijo, e até a próxima!

Dra-Tatiana-Gabbi-unhas-fracas-e-tireoide-entenda-a-relacaoPS: Se esse é um tipo de conteúdo que te interessa, me segue lá no Instagram, onde posto muitas coisas legais!

Publicado por Dra. Tatiana Gabbi

 

LEIA MAIS

Olá, eu sou a Dra. Tatiana Gabbi, médica dermatologista, e hoje o assunto que quero tratar com vocês aqui no blog é de como cuidar de unha encravada em casa.

Os médicos dermatologistas cuidam de pele, cabelos e unhas. Alguns de nós gostam tanto de unhas que acabamos nos concentrando em fazer esses procedimentos, como o tratamento das unhas encravadas, por exemplo, no hospital ou no consultório dermatológico.

No entanto, nem sempre é possível para o paciente se deslocar para cuidar da sua unha encravada em local apropriado.

Pensando nisso, decidi dar algumas dicas para você que tem unha encravada poder cuidar dela em casa sem piorar a situação. Mas lembre-se: o melhor é sempre procurar um médico dermatologista!

Vamos lá? Continue lendo!

 

O que é a unha encravada?

A unha encravada, que também é chamada de onicocriptose, é uma condição que ocorre normalmente nos pés, mais precisamente no dedão (mas pode ocorrer em outras unhas), e que consiste no crescimento da borda da unha chegando a entrar na pele do dedo.

Essa condição pode ser bastante desconfortável, causando vermelhidão, inchaço, dor e até infecção na região.

 

O que leva a unha a encravar?

São vários os motivos que podem levar a unha a encravar. Veja alguns deles:

Uso de sapatos inadequados

Sapatos muito largos ou apertados e/ou que pressionem o pé é uma das causas mais comuns para o surgimento de unhas encravadas.

Isso acontece principalmente se você tem o hábito de caminhar ou participar de corridas. Então, sempre escolha sapatos adequados e no tamanho correto.

 

Unhas não cortadas corretamente

Unhas que não são cortadas corretamente também é uma das causas mais comuns para o encravamento das unhas.

Isso se dá, geralmente, quando as unhas do pé são cortadas muito curtas, ou, ainda, o corte é feito de forma arredondada nas bordas, ao invés de reto, o que pode levar a unha a virar e crescer para dentro da pele.

 

Deformidades do pé ou dedos

Alguns tipos de deformidades nos pés ou dedos também podem exercer pressão na unha de forma que a leva a encravar.

Unhas grossas facilitam o corte incorreto da unha, é preciso ter mais cuidado nesse caso.

Outras medidas que aconselho durante o corte das unhas é não friccionar, desprender ou separar os cantos das unhas na hora de cortar.

 

Como cuidar de unha encravada em casa?

Agora que você já entendeu o que é a unha encravada e algumas coisas que a causam, vamos voltar ao tema principal do post, que é como cuidar de unha encravada em casa.

Nesse momento está difícil de ter atendimento para todos, então é muito bom você saber o que fazer nessas situações para não piorar o problema!

Os principais pontos aqui são:

1. Não cutuque

2. Faça banho de água morna e sal no local

3. Não use pomadas aleatórias

4. Pode tomar medicamento para dor

5. Se não melhorar, procure um especialista, que é o médico dermatologista

6. Não cutuque sob nenhuma hipótese! Eu sei, você tem certeza que vai melhorar se vc mexer, mas não vai! Eu te garanto!

7. Em vez disso, faça isso: salmoura e medicamento para dor, aquele mesmo que você costuma usar quando tem dor de cabeça!

8. Evite pomadas aleatórias, porque pomada é apenas uma forma de colocar um remédio…e as pomadas são bem diferentes! Algumas podem piorar tudo, causando uma alergia em cima dessa inflamação!

Agora, se você fez tudo isso e ainda assim a unha encravada não está melhorando é necessário que você procure o especialista, que é o médico dermatologista.

Isso porque o diagnóstico tardio e o tratamento incorreto podem levar à maior inflamação da unha encravada, o que pode resultar na necessidade de se fazer uma intervenção cirúrgica.

 

Quando é preciso de intervenção cirúrgica para a unha encravada?

Em casos onde não há melhora da unha após os cuidados acima, o paciente deve se consultar com um médico dermatologista, que avaliará a situação, se é possível algum outro tipo de tratamento ou se a intervenção cirúrgica se faz necessária.

A verdade é que não existe um único tipo de procedimento, pois o tratamento depende de fatores como:

– Como a unha está

– Quantas vezes ela encravou

– Como foi feito para ela desencravar

Embora seja raro, algumas vezes é necessário repetir o procedimento cirúrgico, em especial quando existe inflamação acentuada nas unhas encravadas.

No entanto, não se preocupe, pois, quando feita por um profissional treinado, a cirurgia de unha encravada é bem tranquila, bem como sua recuperação.

 

Você precisa de ajuda ou ainda tem dúvidas?

Eu espero que vocês tenham entendido, e se vocês gostaram, comentem aqui embaixo!

Caso tenha ficado alguma dúvida sobre esse tema, ou você tenha outras dúvidas dentro do universo da dermatologia, é só falar aqui nos comentários também!

E para qualquer problema que você tenha, estou aqui para ajudar, clique aqui para entrar em contato ou caso deseje marcar uma consulta!

Estou disponível para vídeo consultas enquanto durar a pandemia, e também atendo de forma presencial, no meu consultório no bairro Jardim Paulista, com horários espaçados e todos os cuidados necessários para garantir o bem estar dos pacientes nesse momento que estamos vivendo.

Um beijo, e até a próxima!

PS: Se esse é um tipo de conteúdo que te interessa, me segue lá no Instagram, onde posto muitas coisas legais!

 

Publicado por Dra. Tatiana Gabbi

LEIA MAIS

Se você percebeu descascamento de unhas ou descamação nos dedos – esses são sintomas que podem indicar uma micose.

De acordo com o Observatório Nacional de Onicomicose, um dos tipos mais prevalentes é a micose de unha, principalmente dos pés, e é por isso que esse post será dedicado a mostrar como prevenir a micose da unha do pé.

Eu sou a Dra. Tatiana Gabbi, médica dermatologista, e se você tem micose de unha, desconfia que tem, ou até se você não apresentar nenhum sintoma, esse post é importante para você!

Continue lendo!

 

O que é a micose?

A micose é uma doença infecciosa, causada por fungos  que produzem uma substância que consome a queratina da unha (que é a proteína presente na unha, no cabelo e na pele).

Ela pode acometer diversas partes do corpo, a depender do tipo de fungo, como:

– Couro cabeludo

– Unha

– Corpo

– Virilha

– Barba

– Entre outros locais

Cada um desses lugares vai ter uma denominação diferente e um tipo de tratamento um pouco diferente também.

Porque a micose da unha do pé é mais comum?

Os pés são lugares em que os fungos mais gostam de infectar, por várias características (como o fato de calçar sapatos, não usar meias e repetir o mesmo sapato várias vezes seguidas).

Isso acaba deixando o ambiente quente e úmido, que são as características preferidas deles. Além disso, o próprio sapato tem restos de pele, então o fungo não morre; ele fica lá esperando para voltar e se alimentar.

A micose de unha é mais frequente após os 60 anos. Isso acontece porque, após essa idade, as unhas tendem a crescer mais devagar e isso favorece a infecção pelos fungos.

 

A micose da unha é contagiosa?

Sim. Você pode pegar de outras pessoas e, até mesmo, contaminar suas próprias unhas. Inclusive, é isso que geralmente acontece: começa em uma unha e vai indo para as outras.

 

Diagnóstico e tratamento da micose da unha dos pés

Diagnóstico

O diagnóstico de micose de unha pode ser feito clinicamente com o auxílio de um dermatoscópio, mas, em alguns casos, o médico pode solicitar exames complementares para a identificação do fungo, que são:

– O exame micológico direto;

– E a cultura para fungos.

Dependendo do tempo de doença e da situação da unha, podem ser necessários alguns procedimentos médicos para acelerar o tratamento.

 

Tratamento

Para tratar de uma micose da unha do pé, é necessário orientação médica. O tratamento, que é bastante prolongado, exige medicamentos orais na maioria das vezes.

O medicamento oral utilizado para o tratamento de micose de unhas é metabolizado (ou seja, eliminado do nosso organismo) no fígado.

Portanto, não se recomenda ingerir substâncias – medicamentosas ou não – que compartilhem da mesma via, ou seja,  não se deve consumir bebidas alcoólicas durante o tratamento e também não se deve fazer o uso de medicamentos por conta própria.

O médico sempre deve acompanhar esse tipo de situação.

 

O que não se fazer em caso de micose da unha do pé

– Não adianta usar remédios caseiros ou pingar antifúngicos sem a recomendação do médico

– Limpar embaixo da unha – isso só irá prejudicar e arrastar o quadro.

– Arrancar a unha não irá tratar uma micose. Assim como o fato de a unha doente cair não resolverá o quadro. Se o tratamento correto não for feito, uma nova unha doente poderá nascer!

 

A micose da unha do pé não cura sem tratamento

A micose de unha não se cura sem tratamento e se você não tomar os cuidados necessários ela pode voltar.

Como o tratamento para essa doença infecciosa é demorado, é muito importante que você evite pegar de novo, e a melhor forma de prevenção é através de cuidados com os pés e sapatos.

Vou te ensinar quais são os cuidados que você deve ter para não pegar a micose de unha de novo, confira:

 

Confira como prevenir a micose da unha do pé em 6 passos

Como vimos, a micose é causada por fungos que normalmente atacam primeiro os pés. Por esse motivo, uma boa forma de prevenir é cuidar dos seus pés e tratar frieiras e descamações assim que elas surgirem!

A seguir, vou dar 6 dicas para prevenir a micose da unha do pé. Preste atenção nessas orientações:

1. Não use o mesmo sapato dois dias seguidos. Tente revezar e aproveite para fazer a descontaminação dos calçados

2. Use talco antisséptico, lysoform ou deixe os sapatos no sol de um dia para o outro

3. Seque muito bem os pés depois do banho

4. Use meias limpas com os sapatos! Procure não usá-los sem meias!!!

5. Cuide do ambiente onde você guarda os seus sapatos para que não junte mofo.

6. Os pés estão descansando? Procure o dermatologista para saber se é micose. A micose é frequentemente confundida com pés secos e tratada erroneamente com cremes hidratantes, sem sucesso!

Esses cuidados são importantes mesmo para quem não tem micose, afinal, eles são PREVENTIVOS.

 

Ainda tem dúvidas sobre o assunto?

Você pode conferir outros artigos que já publiquei sobre o tema!

São esses:

 

Ou ainda, você pode deixar o seu comentário aqui que eu respondo!

Se você gosta de conteúdos como esse, pode também me seguir lá no Instagram, onde sempre dou dicas de dermatologia e nutrologia!

Um beijo e até a próxima!

 

Publicado por Dra. Tatiana Gabbi

LEIA MAIS

Olá pessoal! Eu sou a Dra. Tatiana Gabbi, médica dermatologista, e o assunto que quero discutir com vocês hoje é sobre unhas infantis e doenças que podem estar associadas.

Você sabia que o hábito de roer unhas, uma unha encravada ou micoses nas unhas podem indicar inflamação ou infecções?

A saúde das crianças também pode ser avaliada pela observação visual de diferentes partes do corpo como pele, unhas etc. – e as unhas infantis revelam muito sobre possíveis doenças que acometem as crianças.

Em alguns casos o tratamento caseiro orientado por um médico dermatologista é suficiente, porém em outros é necessário a intervenção.

Este post é para você ficar por dentro do assunto e sanar algumas dúvidas que possam surgir.

Continue lendo!

 

Sintomas nas unhas infantis que podem indicar doenças

Algumas doenças podem ter manifestações nas unhas infantis. Trataremos neste post sobre:

– Roer as unhas

– Unhas frágeis

– Riscos escuros nas unhas

Confira:

O hábito de roer as unhas

É normal e esperado que as crianças roam as unhas, elas levam a mão na boca e tudo mais, e isso pode acontecer entre certa faixa etária (3 a 5 anos de idade). Muitas vezes esse hábito de roer as unhas, vem até associado a retirada da chupeta.

O problema todo é quando esse tipo de hábito vai se perpetuando para além dessa faixa etária.

O roer das unhas infantis as torna fragilizadas, além disso, existem problemas associados.

Confira alguns:

 

1- Paroníquia aguda

A boca é o lugar do nosso corpo que mais tem bactérias, embora muitos não saibam. Portanto, se a preocupação da criança levar a mão à boca e transmitir bactérias para a boca é válida, o inverso também é.

Ao roer as unhas, essas bactérias presentes na nossa boca e dentes, passam para as unhas, e acabam danificando a estrutura das unhas infantis.

Isso pode levar a uma paroníquia aguda, que é a inflamação dos tecidos em volta da unha, algo frequente na prática dermatológica, e que necessita de drenagem.

 

2- Depressão e ansiedade

O hábito de roer as unhas pode estar associado como uma consequência de uma depressão ou ansiedade na criança, que deve ser averiguado.

 

3- Problemas odontológicos

O fato de roer as unhas pode modificar a boca, a arcada dentária e levar a um problema odontológico.

 

4- Verrugas

A verrugas podem aparecer em crianças que roem as unhas e também são comuns no caso de hiperidrose, situação de suor excessivo nos pés das crianças.

No caso de verrugas infantis, o melhor tratamento é com  ácido no consultório. É relativamente pouco doloroso e feito com muito cuidado para não causar uma lesão na matriz ungueal, e apresenta resultados muito bons.

Em alguns casos, é aconselhado também a introdução de uma vitamina oral, como por exemplo, o zinco, para ajudar na melhoria da imunidade contra o vírus do HPV que é a causa das verrugas.

É importante salientar que, no caso de verrugas, não se deve cortar ou lixar a verruga para que ela não se espalhe para os outros dedos.

 

Tratamento

É um tratamento multidisciplinar, existem alguns medicamentos que podem ser administrados para diminuir a vontade de roer as unhas, mas somente essa ação não resolve o problema.

É necessário entender o que está por trás do hábito de roer as unhas, que pode ser relacionado também com a depressão e ansiedade. Precisamos descobrir o motivo disso e tentar desviar o foco para outra coisa.

Uso de esmaltes como medida contra o roer as unhas

Esse comportamento de roer as unhas é mais frequente em meninos do que em meninas, até associado ao comportamento das meninas de querer embelezar as unhas, o que serve como um gatilho para diminuir esse tipo de hábito.

Fazer as unhas é sim uma forma de lidar com o hábito de roer as unhas, mas é preciso tomar alguns cuidados:

– Esmaltes que usamos tem uma série de substâncias que podem inclusive acelerar a puberdade, os disruptores endócrinos. Portanto é aconselhado buscar por esmaltes apropriados para essa faixa etária, que são esmaltes em base água, que sai quando a criança lava as mãos.

– Esmalte com gosto não é tanto um problema, algumas crianças até aprendem a gostar do sabor ruim do esmalte, o grande problema aqui é em relação a pimenta. Algumas crianças levam os dedos aos olhos e isso pode ser um problema, portanto, quando optar por isso, tome cuidado pois pode acabar machucando o olho da criança.

 

Unhas frágeis

A principal causa de unhas frágeis em crianças é a questão de roer as unhas, como dito anteriormente.

A segunda causa são doenças inflamatórias como a psoríase,  por exemplo.

 

1- Doenças inflamatórias

Nas crianças, não é infrequente observarmos manifestações de doenças inflamatórias que são localizadas nas mãos, e pode ser exclusivo das unhas. Ou seja, a criança não tem nenhuma manifestação dessas doenças inflamatórias na pele, somente nas unhas.

Na minha prática, nesses casos, não costumo fazer a biópsia em crianças, eu começo o tratamento e acompanho, pois considero a biópsia algo traumático, e geralmente, a manifestação que mais vemos em crianças é a traquioníquia (que é um quadro onde vemos várias estrias paralelas nas unhas, um aumento da cutícula e uma fragilidade ungueal).

Isso pode representar uma doença inflamatória como:

– Psoríase

– Líquen plano

– Alopecia areata

– Entre outras.

Esses casos necessitam de tratamento, mas não precisam de biópsia, pois o tratamento é comum para esses 3 casos. Só precisamos ficar de olho na evolução, pois a depender desta evolução, um tratamento mais substancioso se fará necessário.

ATENÇÃO:

Essas doenças podem piorar com o uso de álcool em gel, então temos que tomar muito cuidado, principalmente nesse momento em que estamos usando muito essa substância, com crianças que têm fragilidade ungueal que em geral são causadas por doenças inflamatórias, e buscar tratamento.

 

2- Doenças auto imunes

Algumas doenças inflamatórias, como o Líquen Plano, que é aquela unha bem fininha, que está evoluindo para uma anoniquia (ausência da unha), é necessário pesquisar doenças auto imunes, principalmente a doença da tireóide, que é muito associada em crianças.

 

Riscos escuros

Se você observar riscos escuros nas unhas infantis, o que chamamos de melanoníquia estriada, é importante que você marque uma consulta com um médico dermatologista, para que seja acompanhada a evolução dessa unha e sejam descartados problemas mais sérios, como a melanoma.

Quero deixar muito claro, no entanto, que melanoma nesta faixa etária, é extremamente raro, mas sempre devemos acompanhar.

Nesse tipo de caso, o tratamento de escolha para esse tipo de quadro é o acompanhamento clínico com fotografia.

Se houver um alargamento da faixa ou a lesão mudar muito a sua característica, aí entramos com a biópsia, que deve ser enviada a um dermatopatologista experiente com esse tipo de lesão.

 

Fique atento a esses sinais, e busque ajuda de um médico dermatologista!

Se observar qualquer problema nas unhas, procure um médico dermatologista. Caso necessite, podemos marcar uma consulta, clique aqui para entrar em contato.

Você pode entrar em contato ou deixar seu comentário nesse post caso tenha ficado alguma dúvida – estou aqui para ajudá-los!

P.S.: Não esqueça de me seguir no Instagram. Compartilho muitas informações por lá, e respondo dúvidas. Te vejo no próximo post!

 

Publicado por Dra. Tatiana Gabbi

LEIA MAIS

Olá, eu sou a Dra. Tatiana Gabbi, sou médica dermatologista, e hoje, a pedido de vocês que me acompanham aqui e nas redes sociais, vou esclarecer sobre manchas escuras nas unhas!

Manchas escuras nas unhas são aqueles risquinhos verticais, que aparecem nas unhas e que parece que a unha foi tingida, marcada com uma canetinha. Você já viu algo parecido?

É um assunto que sempre me perguntam, e que sempre gera dúvidas sobre se é grave ou não, se é preciso intervenção cirúrgica ou se é possível apenas acompanhar.

A resposta é que… depende! Cada caso é um e precisa ser investigado.

Mas você deve sim procurar um médico dermatologista, pois essas manchas podem indicar que alguma coisa não vai bem com a sua saúde!

Nesse post você vai entender tudinho sobre o assunto!  Continue comigo até o final!

Vamos lá?

 

O que são as manchas escuras nas unhas?

As manchas escuras nas unhas apresentadas como um risco vertical geralmente refletem uma mancha que está presente na fábrica da unha, e, como tal, essa mancha na maior parte das vezes é benigna, mas pode significar um tumor grave.

Como esse tipo de mancha vertical e escura nas unhas pode significar várias coisas,  para descobrir exatamente qual é a sua origem e causa, é preciso consultar um médico dermatologista.

 

O que devo fazer se notar manchas escuras nas minhas unhas?

Se você notar manchas escuras nas unhas, você deve procurar um médico dermatologista para uma consulta. Não importa se você sinta dor ou qualquer outro sintoma, o simples aparecimento desse tipo de mancha já é motivo para agendar uma consulta.

Como eu disse anteriormente, enquanto essa mancha pode não ser nada demais, ela pode significar algo mais grave como até um tumor maligno.

Por isso é muito importante que todo mundo que note alguma mancha desse tipo nas unhas, faça uma consulta dermatológica e um acompanhamento seriado com fotografias e visitas regulares ao médico dermatologista.

 

Como é dado o diagnóstico das manchas escuras nas unhas?

Para chegar a um diagnóstico de um caso, é preciso se consultar presencialmente com um médico dermatologista, pois não é possível fazer uma análise somente através de fotos, já que é necessário realizar uma dermatoscopia e fazer um segmento.

Em alguns casos, será necessário fazer um procedimento cirúrgico para obter uma amostra do material para ser analisado – procedimento que recebe o nome de biópsia – em outros casos, a coleta de amostra não será necessária.

Dessa forma, será possível dizer se as manchas nas unhas são benignas, se são malignas, se há necessidade de se fazer algum procedimento ou não.

 

Como tratar manchas escuras nas unhas?

Como disse, é preciso avaliar caso a caso, pois o tratamento vai depender de acordo com a causa.

Quando a mancha escura na unha é causada por um agente benigno, pode ser facilmente tratada, mas, caso seja um caso mais sério como uma lesão cancerígena, o tratamento é outro, com maior complexidade, obviamente.

Tive um pacientinho de 8 anos com uma mancha na unha que segui por 1 ano, por exemplo, em que a mancha clareou e, portanto, não foi necessário tomar mais nenhuma ação.

Em algumas crianças, ela cresce e alarga muito rapidamente e é mais prudente fazermos biopsia, portanto só dá para dizer o que fazer quando acompanhamos de perto esses casos com registro fotográfico seriado e exame clínico e dermatoscópico.

Não há “o melhor tratamento para essa doença“ e sim a melhor conduta para cada paciente, individualmente!

 

Você precisa de ajuda ou ainda tem dúvidas?

Eu espero que vocês tenham entendido, e se vocês gostaram, comentem aqui embaixo!

Caso tenha ficado alguma dúvida sobre esse tema, ou você tenha outras dúvidas dentro do universo da dermatologia, é só falar aqui nos comentários também!

E para qualquer problema que você tenha, estou aqui para ajudar, clique aqui para entrar em contato ou caso deseje marcar uma consulta!

Estou disponível para vídeo consultas enquanto durar a pandemia, e também atendo de forma presencial, no meu consultório no bairro Jardim Paulista, com horários espaçados e todos os cuidados necessários para garantir o bem estar dos pacientes nesse momento que estamos vivendo.

Um beijo, e até a próxima!

PS: Se esse é um tipo de conteúdo que te interessa, me segue lá no instagram, onde posto muitas coisas legais!

Publicado por Dra. Tatiana Gabbi

LEIA MAIS