A onicomicose é uma doença que incomoda muitas pessoas.

Aqui vão 5 dicas para evitar a micose de unha.


1. Seque bem os seus pés após o banho

O ambiente quente e úmido dos sapatos é uma excelente oportunidade para o desenvolvimento desses fungos.

É comum que eles se desenvolvam primeiro nos pés e depois passem a afetar as unhas.


2. Observe seus pés: eles são muito secos ou estão descamando?

Isso já pode ser micose dos pés ou tinea pedis e o fungo que se desenvolve dessa maneira pode acabar infectando as suas unhas também!

Se você identificou esse problema é importante consultar o dermatologista para fazer o tratamento, pois muitas vezes ele é realizado com medicamento oral e pode demorar bastante.

Além disso, há diferenciais que se parecem muito com micose, mas podem ser outra coisa.

Não perca tempo tentando fazer tratamentos caseiros!


3. NUNCA cutuque a pele embaixo da unha tentando limpar o que existe por baixo

Existe uma proteção nessa área que pode ser rompida e, assim, pode facilitar a infecção por fungos.

E é bem por aí que eles invadem as unhas.


4. Mantenha as unhas dos pés mais curtas que as pontas dos dedos

Quando elas estão muito compridas podem descolar: isso facilita a infecção por fungos e o surgimento da micose.

Tome muito cuidado com isso!


5. Nem tudo que aparece nas unhas é micose

O trauma constante das unhas nos calçados pode levar a unhas alteradas.

Há tratamento para esses quadros também!

Portanto se as suas unhas ficarem deformadas, procure o médico dermatologista.

Unhas alteradas correm um risco maior de desenvolver a micose e, quanto mais cedo identificarmos e tratarmos o problema, mais rápido teremos resultados e menos chances de sequelas.


Lembre-se:
o tratamento da micose de unha é longo, mas os resultados são muito bons.

O tratamento depende de um acompanhamento correto que seja feito com um médico dermatologista da sua confiança.

LEIA MAIS

Todo fungo nas unhas é necessariamente uma micose?

Os fungos são os agentes das micoses, então toda a vez que a unha estiver com um fungo e com uma lesão que a deforma e esta for causada por este fungo estaremos diante de uma micose. O que acontece, algumas vezes, é que a unha está com uma alteração e com um fungo que não é o causador desta lesão. Isso acontece muito nos descolamentos, seja por trauma induzido por esporte (unhas dos pés), seja pelo péssimo hábito de cutucar embaixo da unha com palitinho para retirar sujeirinhas que se acumulam, e também em doenças como tumores, psoríase e outras inflamações. Alguns fungos, como os dermatófitos, produzem lesões características, pois são capazes de “comer” a queratina intacta, proteína que forma as unhas. Já a Candida sp e alguns outros fungos são considerados contaminantes e a sua presença deve indicar a necessidade de buscar uma causa primária para o problema da unha, pois não foram eles que causaram a doença inicial. Eles só conseguem consumir a queratina se ela já estiver lesada previamente.

Como esses fungos aparecem nas unhas? Qual a aparência deles?

Os fungos são microorganismos, ou seja: só podem ser visualizados através do exame em um microscópio. No entanto, eles alteram a aparência das unhas e, portanto, podemos suspeitar de sua presença devido a essas alterações. O diagnóstico preciso depende de exames complementares: a cultura permite o diagnóstico de certeza, porque recuperamos o fungo presente na unha, através do cultivo de um pedaço dela, em laboratório.

As alterações mais frequentes são a unha oca e um espessamento da pele que fica abaixo dela. Com o tempo a unha pode se tornar mais espessada, com cores diversas que cursam do amarelo ao acastanhado e fica com um aspecto feio, doente. Quanto antes procurarmos o médico, mais cedo teremos o diagnóstico firmado e iniciaremos o tratamento.

 

Quando um fungo aparece nas unhas, como ele pode ser retirado e tratado?

Arrancar uma unha não resolve o problema da micose, pois o fungo se aloja abaixo da unha, na área chamada de leito ungueal. Portanto, retirar a unha, simplesmente, não leva à cura e não é uma modalidade de tratamento.

O único tratamento possível para uma micose instalada é utilizar medicamentos antifúngicos. Dependendo de cada caso, há contraindicações para o uso de remédios orais e somos obrigados a fazer um longo tratamento, somente com remédios locais, o que nem sempre irá levar à cura, apesar de promover o controle da doença. Os tratamentos mais eficazes são feitos com medicações orais por longos períodos, associados ou não aos medicamentos locais.

É importante salientar que esses tratamentos devem ser feitos com acompanhamento médico devido à longa duração do tratamento, possibilidade de efeitos colaterais e contraindicações ao uso. Portanto, tratamentos caseiros são contraindicados.

 

Existem medidas que podem ser feitas em casa para melhorar o problema?

Após o término do tratamento é fundamental adotar uma série de cuidados para não desenvolver a micose novamente. Os fungos estão por aí, no nosso ambiente, e corremos risco toda a vez que deixamos os pés quentes e úmidos e temos contato com eles. São fatores de risco a presença de pessoas com micose na mesma casa, frequentar piscinas e vestiários públicos sem o uso de chinelos, usar os mesmos sapatos todos os dias, não usar meias ou não trocá-las diariamente e presença de déficit de imunidade, seja por doenças ou por uso de medicações. Pacientes diabéticos ou em uso crônico de corticoides e imunossupressores são mais suscetíveis. Evitar os maus hábitos, secar bem os pés antes de calçar os sapatos e usar talcos são importantes para evitar o problema. Na presença de descamações nos pés, que não melhoram após uma semana de hidratação, procure o médico dermatologista! Isso pode ser uma micose nos pés que irá, com o passar do tempo, acabar pegando nas unhas.

LEIA MAIS