Os médicos dermatologistas cuidam de pele, cabelos e unhas.

Alguns de nós gostam tanto de unhas que acabamos nos concentrando em fazer esses procedimentos, como o tratamento das unhas encravadas por exemplo, no hospital ou no consultório dermatológico.

Feita por um profissional bem treinado é uma cirurgia tranquila, com uma boa recuperação.

Algumas vezes – e são raras – é necessário repetir o procedimento, sobretudo quando as unhas estão bastante inflamadas.

Não existe um único tipo de procedimento: depende muito de como a unha está e de quantas vezes ela encravou e de como fizeram para desencravar.

Procure um médico dermatologista da SBD se tiver com esse tipo de problema!

LEIA MAIS

Participei do Congresso Brasileiro de Cirurgia Dermatológica, em Goiânia, de 01/05 a 04/05/2019, com três atividades incríveis!

Na quarta-feira eu ministrei um curso prático de cirurgia das unhas para dermatologistas de todo o Brasil.

Tivemos casos de câncer (carcinoma espinocelular), tumor glômico, unha encravada e unha em telha.

Foi uma oportunidade única de dividir conhecimentos, esclarecer dúvidas, ensinar e aprender em dobro.

Na sequência, palestrei sobre anatomia da unha com ênfase na cirurgia para evitar ao máximo sequelas!!!

Na sexta-feira coordenei um bloco sobre mídias sociais: como informar o paciente sobre a sua saúde e de forma ética?

Amei participar! Goiânia é uma cidade lindíssima e apaixonante! Sou muito fã! Seguem fotos dos eventos:

LEIA MAIS

De repente, você, que nunca teve nenhum tipo de problema nas suas unhas dos pés, começa a reparar que alguns sapatos machucam e incomodam.

Na sequência, você nota que a unha está enrolando sobre ela mesma e começa a doer no canto.

O que é isso? Será que estou com a unha encravada? Como isso aconteceu?

Esse tipo de questionamento é o que passa na cabeça daquelas pessoas que apresentam a unha em telha.

Ela é mais frequente em mulheres que estão com mais de 50.

Alguns especialistas acreditam (e eu me incluo nesse grupo) que esse fenômeno aconteça induzido pelo trauma de sapatos apertados ou finos ao longo de toda a vida.

No entanto, essa não é a única causa: micose, traumas agudos, problemas de circulação, diabetes e até tumores benignos podem levar ao surgimento do quadro.

O tratamento pode ser feito afastando a causa primária, quando presente, e por meio do uso de cremes e tratamentos cirúrgicos, dependendo da intensidade da dor.

LEIA MAIS

Você já parou para se perguntar como a unha encrava?

Neste artigo vamos explicar os mecanismos que estão por trás disso e você vai finalmente entender como e por que isso acontece.

Talvez assim você consiga evitar esse problema!

Observe a ponta dos seus dedos. Aquilo que chamamos de unha é, na verdade, um sistema complexo: o aparelho ungueal.

Ele é composto da placa ou lâmina, que corresponde à unha propriamente dita, e da pele que fica em volta.

Essa pele não é igual em toda a volta da unha. A pele da ponta normalmente é solta em relação à lâmina enquanto que a pele debaixo é muito aderida e forma a cutícula e as laterais fazem verdadeiras dobras onde a unha se encaixa.

Muito bem! Toda a vez que há uma briga por espaço entre essa pele (que forma a moldura da unha) e a unha, o encravamento acontece.

Motivos:

1. O motivo número 1 é o corte errado das unhas. Ao arredondar os cantos da lâmina, você permite que a pele em volta cresça para cima da unha.
Evite! Evite! Evite!

2. Calçados apertados empurram a pele das dobras laterais para cima da unha. Isso gera um impacto, um trauma, que pode ferir a pele ao redor e favorecer o encravamento.

3. Remover as cutículas. A cutícula é uma pele delicada que forma uma letra “U”, abraçando a unha desde a lateral, passando pela parte onde ela é mais visível e terminando na outra lateral. Ao removê-la, você pode machucar essa área e isso pode culminar em uma inflamação. A inflamação também encrava a unha!

4. Suor excessivo nos pés. Pouca gente sabe disso, mas os pés sempre úmidos favorecem o encravamento das unhas porque a umidade aumenta o atrito e pode machucar os cantos, levando à inflamação e ao encravamento.

5. Manicure ou podologia com remoção de áreas extensas de pele ou partes da unha. Sabemos que, em um primeiro momento, isso alivia bastante a dor, mas pode levar a encravamentos maiores futuros, portanto saiba o momento de procurar o médico para que o procedimento cirúrgico seja o mais simples possível.

6. Unhas fracas: a quebra de partes laterais da unha pode levar à formação de espículas. Espículas são pedaços muito pequenos e pontudos de unhas que adentram a pele lateral e podem se tornar extremamente dolorosos.

7. Traumas agudos. Queda de objetos, freadas bruscas em esportes, como tênis e futebol, podem levar a quebras que atuam da mesma forma que a descrita no item acima.

8. Alterações ortopédicas: algumas pessoas têm uma pisada diferente que leva ao trauma e pode contribuir com a formação da unha encravada. Também há casos em que as pessoas herdam geneticamente pés que possuem dedos encavalados ou que possuem desvios ósseos. Esses fatores também podem levar ao encravamento das unhas dos pés.

Você está com as unhas encravadas? Leia também os demais artigos sobre esse assunto. Procure um médico especialista para te ajudar no tratamento!

LEIA MAIS

Sempre que possível optamos pelo tratamento das unhas encravadas com fenol, devido à melhor recuperação e conforto para o paciente no período pós-operatório.

O fenol é uma substância cáustica que provoca queimadura e destruição da matriz ou fábrica da unha. Ele é aplicado na matriz após o corte do canto com esse objetivo.

Dessa forma, o canto vai parar de ser fabricado e, assim, teremos um excelente resultado tanto do ponto de vista estético como funcional.

Uma vez que, nessa cirurgia, não são necessários pontos, a dor é muito menor! Além disso, o fenol tem a propriedade de “enganar” as terminações nervosas e – por esse motivo também – os pacientes, às vezes, observam um formigamento temporário no pós-operatório (ou seja: desaparece com o passar do tempo).

Outra coisa que costuma acontecer nos primeiros dias após o procedimento é uma inflamação discreta e a saída de um líquido claro.

Trata-se da queimadura causada pelo fenol! Isso não deve gerar angústia ou preocupação, pois faz parte do esperado!

É por esse motivo que muitos médicos optam em deixar os pacientes com antibióticos após o procedimento: essa queimadura, aliada à “aflição” do paciente em realizar a higienização adequada da ferida, pode levar a uma infecção do local da cirurgia.

No próximo post vamos falar dos cuidados no pós-operatório!

Espero que tenham gostado do post. Se tiverem dúvidas, deixem aqui nos comentários!

 

LEIA MAIS

Após a manicure, as unhas podem ficar inflamadas: qualquer um de nós está sujeito a isso, mesmo que nunca tenha acontecido antes! Sem querer, ela machuca o cantinho da pele ao redor da unha na hora de retirar a cutícula, e você fica com as unhas inflamadas.

E o pior é que muitas pessoas pioram as unhas inflamadas voltando na manicure ou fazendo o mesmo procedimento, tentando cutucar ou liberar os cantinhos com alicate ou outros instrumentos utilizados no cuidado das unhas.

Isso está errado!

Neste texto eu vou explicar o que fazer para que isso não aconteça e ensinar o que fazer se isso tiver acontecido com você.

Cuidados com as unhas dos pés

A pele ao redor das unhas dos pés está sujeita a uma série de traumas, como o impacto com o calçado, com o piso, com os outros dedos etc.

Por esse motivo, toda a vez que mexemos nessa pele delicada, corremos o risco de ficar com as unhas inflamadas.

A recomendação é que não se retire as cutículas dessa região nem se cutuque a pele ao redor das unhas dos pés.

Em algumas situações, o podólogo realiza essa remoção, mas com a técnica adequada e não simplesmente com o objetivo de retirar as cutículas.

As minhas unhas estão inflamadas após manicure. E agora?

Bem, agora você deve evitar a todo custo manipular a região machucada. Indico banhos de água morna com sal para reduzir a inflamação e o edema e massagem no sentido de liberar a pele inflamada do canto da unha.

Caso isso não melhore o quadro em 2 a 3 dias, é hora de consultar o médico dermatologista, que irá prescrever antibiótico. A medicação atuará para evitar que essa região infeccione ou leve ao encravamento verdadeiro dessa unha.

Unha encravada

Se você não cuidar das unhas inflamadas, elas podem evoluir para unhas encravadas. Caso isso aconteça, a resolução poderá ser cirúrgica.

Quanto mais cedo você procurar o especialista, mais cedo ele irá intervir e receitar medicamentos e tratamentos que levarão ao controle do quadro, sem necessidade de cirurgias mais complexas.

Lembre-se que há vários graus de unhas encravadas e vários tratamentos para elas, como tratamos neste post.

Espero que este artigo tenha ajudado você! Se gostou compartilhe nas redes sociais e conte nos comentários abaixo se isso já aconteceu com você!!!

LEIA MAIS

A unha encravada é uma condição que acontece toda a vez que há uma inflamação na pele que envolve a unha.

Isso ocorre por uma briga por espaço. Em geral, há algum deflagrante: um sapato apertado, manicure que machucou o cantinho, corte errado das unhas etc.

Há vários tipos e vários graus de gravidade da unha encravada. Tem unhas que ficam só doloridas, outras com pus no canto da unha, outras ainda apresentam uma pele, que é popularmente denominada de “carne esponjosa” e trata-se de uma pele que sangra com facilidade e fica inchada, ajudando a encravar ainda mais a unha.

Dependendo do tipo de problema, iremos indicar um tipo de cirurgia. As unhas encravadas mais leves, mais recentes e que ficamos na dúvida se realmente estão ou não encravadas podem ser tratadas de forma conservadora, ou seja: sem cirurgia.

Se esse tratamento falhar ou se elas estiverem um pouco mais inflamadas, talvez seja necessário um procedimento um pouco mais invasivo, mas bem tranquilo, que pode ser feito no consultório médico em menos de 1 hora.

Já as unhas encravadas que foram operadas previamente e voltaram a encravar ou que estão muito deformadas, muito alteradas ou com a pele ao redor muito inchada e endurecida, talvez necessitem de um procedimento mais avançado.

Nesses casos pode ser necessário remover a pele ao redor para que o resultado seja mais estético e também mais duradouro.

O pós-operatório é um pouco mais longo e talvez seja necessário operar em um hospital! Isso irá depender de cada situação, analisada individualmente.

De qualquer maneira, a dica é: se estiver com a unha encravada, procure um especialista!

Se a unha ficar muito inflamada ou deformada, a cirurgia na unha poderá ser mais elaborada. Ao procurar logo, você evita isso e pode resolver o problema com um procedimento muito mais simples!

LEIA MAIS