Por que uma unha dói?

Já tratamos sobre isso neste artigo, mas ainda há muita dúvida e perguntas a respeito das unhas doloridas. Hoje falaremos um pouco mais sobre isso.

Quando a unha dói? 

Tente notar se a dor possui um padrão, ou seja: se há situações em que ela aparece e como você consegue melhorá-la.

A unha em telha, por exemplo, é bastante frequente e apresenta uma alteração do seu formato. Nesse caso, a dor surge sempre que encostamos na região.

É bastante frequente nas mulheres após a menopausa e dificulta bastante o uso de determinados calçados.

Já a dor do tumor glômico vem de repente, como se fosse uma fisgada ou choque, e não altera muito o formato da unha, apesar de que pode levar a uma mancha avermelhada ou roxa no local.

Unha encravada 

Mas, sem dúvida, a unha encravada, já bastante discutida nos nosso dois últimos artigos (veja aqui e aqui), é a principal causa de unhas doloridas. Muitas vezes a dor aparece antes mesmo da inflamação surgir.

O que fazer? 

Se você não costuma machucar as unhas, não se submeteu recentemente a nenhum tipo de procedimento, como unhas em gel ou em porcelana ou esmaltação em gel, é muito importante procurar o dermatologista caso tenha unhas doloridas.

Há diversos diferenciais e o diagnóstico correto pode exigir exames complementares, como ultrassom, radiografia ou ressonância magnética.

Outros casos podem somente melhorar com cirurgia. Portanto é fundamental que você seja avaliado por um especialista!

LEIA MAIS

Além do risquinho escuro, que a gente já explicou em outro post, outros risquinhos podem aparecer nas suas unhas. As estrias, como são chamadas, costumam ser levemente esbranquiçadas ou amareladas, mas também podem ser avermelhadas ou não ter cor alguma. Quanto à forma de aparecimento: pode ser uma só ou várias e isso pode acontecer em várias unhas, em uma única unha ou em todas.

A aparência das estrias, a quantidade delas e a localização ajuda o especialista a fazer o diagnóstico correto do quadro, mas dois problemas se destacam por serem mais comuns!

Um deles é também chamado de onicorrexis e representa a canície ou “cabelo branco” da unha. Pode surgir com o passar dos anos e estar associado a uma atividade inflamatória presente na fábrica das unhas. Essa inflamação acontece por conta da proximidade com as articulações, em alguns casos. Esse problema pode estar associado à fragilidade das unhas e deve ser abordado como a síndrome das unhas fracas. Também temos post sobre isso aqui.

A onicorrexis se apresenta com múltiplas estrias incolores ou esbranquiçadas em múltiplas unhas. É mais comum no sexo feminino e após os 50 anos de idade, sendo extremamente frequente em mulheres acima dos 70 anos. Pode ou não estar associada à quebra das unhas, mas se não cuidarmos direitinho delas, as unhas irão acabar ficando mais fracas. O tratamento é feito com esmaltes medicamentosos e com a ingestão de vitaminas e minerais que fortificam as unhas.

No próximo post vamos explicar sobre o onicopapiloma!

LEIA MAIS