No dia 16/07, fiz uma live com a Dra. Bianca Lundberg, que é hebiatra (médica de adolescente), para falar sobre algumas alterações dermatológicas que encontramos nos adolescentes e quais são os significados de cada uma.

Antes disso, vamos falar um pouco do que é ser hebiatra. Esse é um ramo da pediatria que cuida de crianças dos 10 anos até jovens de 24 anos, acompanhando e atuando com:

– Prevenção;

– Tratamento de doenças;

– Puberdade;

Outras características únicas dessa faixa etária.

Os hebiatras cuidam dessa parcela da população, que representa um grande número de pessoas e precisam de um acompanhamento mais de perto.

O tema da live foi: unhas e cabelos na adolescência e eu separei aqui as melhores questões sobre unhas para vocês. [Se quiser assistir na íntegra, pode clicar aqui]

 

Pele, unhas e cabelos na adolescência

Assim como a Dra. Bianca Lundberg ressaltou, por experiência própria com o público mais jovem, essa faixa etária reserva algumas complicações na pele, unha e cabelo.

É nesse momento que ocorrem muitas mudanças no corpo e, por isso, a parte dermatológica é tão importante, ajudando a passar por essas alterações com autoestima e evitando também os problemas no futuro.

É na pré-adolescência que a autoimagem começa a ser mais evidente e influenciada, já que o adolescente começa a reparar a diferença entre ele e outras pessoas da mesma idade e isso afeta a maneira como ele se enxerga.

Um dos maiores desafios de lidar com esse público, principalmente relacionado à pele, unhas e cabelos, é que os adolescentes costumam ser muito imediatistas.

Então, fazer um tratamento e esperar os resultados, para eles, é ainda mais difícil, eles querem que as coisas aconteçam mais rapidamente.

Mas vamos então conversar sobre as unhas dos adolescentes aqui e os outros tópicos você pode conferir nesta liveque fizemos. Confira!

 

Roer unhas prejudica o adolescente?

Essa é a principal causa de unhas fracas em crianças e adolescentes. A verdade é que uma criança ou adolescente não tem motivo para ter unhas fracas, mas isso pode acontecer ao roer as unhas.

Dica aos pais: quando observamos que a criança ou adolescente está com a unha muito fraca, tem que prestar atenção e ver se ele está roendo, porque isso fragiliza as unhas

Muitos ignoram esse comportamento, mas a verdade é que a abordagem e tratamento do roer as unhas deve ser feito o quanto antes, assim que você perceber essa tendência no seu filho.

Pode ser que ele não tenha esse hábito muito cedo, mas desenvolva depois. Assim que perceber essa tendência, você precisa interferir.

O tratamento para a criança ou adolescente parar de roer as unhas é multidisciplinar, ou seja, envolve vários profissionais e pessoas que estão ao redor.

Exemplo: É preciso ver se a criança ou adolescente, de repente, tem alguma ansiedade, porque normalmente tem e esse fato de roer a unha é apenas um termômetro indicando que tem algo por trás – e esse é o maior problema.

Passei mais informações importantes sobre o assunto, você pode conferir aqui nesta live

 

A pessoa pode nascer com unhas mais fracas que o normal ou só acontece com o ato de roer?

Pode sim, mas isso é muito raro. Não vemos esse tipo de situação com tanta frequência, geralmente as unhas fracas são associadas a uma causa – o papel do profissional é tentar entender se essa é uma causa interna ou externa.

Existem sinais que podem ajudar os profissionais a decifrar esse caso e fazer uma abordagem de acordo com o problema.

Unha fraca, na verdade, é uma síndrome – um conjunto de sinais e sintomas que estão por trás do problema e que pode ter várias causas diferentes.

Esse é um dos motivos para não haver um tratamento específico para unha fraca. Ela precisa ser investigada, porque para cada pessoa pode existir uma causa diferente e nós, profissionais, vamos fazer o tratamento de acordo.

 

E a nutrição das unhas fracas, por que acontece? É um déficit de vitamina, má alimentação? Dá para repor com uma nova rotina alimentar?

Dependendo da característica, se for necessário pesquisar a parte nutricional, os profissionais vão fazer um diário alimentar como primeiro recurso, para entender como tem sido a alimentação.

Isso porque o profissional precisa entender como o paciente tem se alimentado para descobrir quais nutrientes estão presentes e quais estão faltando.

Outro ponto fundamental para o profissional criar uma abordagem também é saber a rotina da pessoa. Ela faz exercício físico? Ela pratica esporte? Tudo isso é muito importante para entender como ocorre o gasto calórico.

Unhas e cabelos sofrem muito com falta de proteína e calorias. Falei também mais sobre isso na live e dei algumas dicas especiais.

E aí, gostaram do conteúdo? Assistiram a live? Deixem um comentário lá no vídeo para eu saber o que vocês acharam e se ficaram com alguma dúvida.

Veja a live aqui e aproveite para me seguir no Instagram, posto muito conteúdo legal por lá! Ou entre em contato e agende a sua consulta.

Postado por Dra. Tatiana Gabbi

LEIA MAIS

Olá, pessoal, nesse post vamos falar um pouco sobre as unhas fracas. A verdade é que muita gente tem dúvida sobre o assunto, mas não sabe aonde achar a informação correta.

Ah, e se a sua dúvida sobre unhas fracas não estiver respondida aqui, pode mandar uma mensagem no Facebook com a sua pergunta que a gente responde em uma próxima oportunidade. Vamos lá!

 

1 – O que pode causar as unhas fracas?

O que é mais comumente leva às unhas fracas é o hábito que temos de fazer a mão. Saiba que retirar as cutículas, usar esmalte, e depois usar acetona para retirar esse esmalte: tudo
Quando cozinhamos ou mexemos com produtos de limpeza, ficamos em contato com diversas substâncias e ficamos com as mãos úmidas a maior parte do tempo. Nessas situações ocorre a contração da unha e depois a expansão da placa da unha. Essa “dança” da unha expandir com a água e depois contrair com a secagem pode levar a quebras estruturais que vão promover um enfraquecimento da estrutura da unha. São as unhas fracas!

As unhas fracas se caracterizam por descamação e desfolhamento. Nos casos mais graves temos unhas quebradiças e ressecadas. Nessa época de pandemia mundial pelo COVID-19 estamos constantemente lavando as mãos e aplicando álcool gel. Com certeza isso contribui para o agravamento das unhas fracas! Saiba mais sobre isso aqui.

Mas isso não é tudo! Outras situações do nosso dia a dia podem contribuir com unhas fracas. É o caso de tocar instrumentos musicais, teclar, deixar as unhas compridas etc. A vibração transmitida em todas essas situações enfraquece as ligações celulares que mantêm a placa ungueal unida.

Algumas doenças também podem ser importantes para o surgimento do quadro de unhas fracas. Acontece muito com as doenças da tireoide e várias doenças de pele que também podem comprometer as unhas (psoríase, líquen plano, micoses), por exemplo.

Uma outra situação possível é quando a pessoa tem um distúrbio nutricional e apresenta déficits de proteínas, calorias, minerais ou vitaminas.

 

2 – Como cuidar das unhas fracas através da alimentação?

É possível cuidar das unhas com orientação nutricional, ao identificarmos que o indivíduo está consumindo menos do que precisaria para poder manter-se com saúde.

Quando atendemos o paciente, pedimos para que ele faça um diário alimentar, conversamos a respeito do que está sendo consumido, quais são as calorias envolvidas etc.

Também temos que saber quem é esse indivíduo, quais atividades diárias desse indivíduo, quanto ele gasta de calorias, para entender se tem um déficit nutricional importante.

Cabelos e unhas não são necessários para o organismo, então se houver um déficit de calorias ou um déficit de qualquer outro nutriente (proteínas, minerais e vitaminas), o corpo vai priorizar isso para os órgãos que são nobres e cabelo e unhas e cabelos irão sofrer. Então, teremos queda de cabelos e unhas fracas.

Através da conversa com o paciente conseguimos entender quem é esse indivíduo e o que ele está consumindo – e, muitas vezes, vamos direcionar exames complementares para investigar e confirmar essa hipótese

 

3 – Doenças que podem causar unhas fracas

Essas doenças que eu citei anteriormente são as mais comuns. Geralmente, tanto a psoríase quanto o líquen plano, vão acometer a maioria das unhas e são doenças inflamatórias. De uma hora para a outra, aquele indivíduo, que sempre teve as unhas normais, vai desenvolver uma inflamação e um acometimento das 20 unhas ou pelo menos da maioria delas.

Isso vai levar a uma fragilidade muito grande das unhas e de forma abrupta. Isso sempre faz com que o indivíduo opte por procurar o médico.

Já na nos casos de doença da tireoide, o quadro nas unhas é de instalação mais lenta, mas conseguimos perceber através de outros sinais e sintomas, como, por exemplo: fraqueza, astenia, fala lentificada, muito sono e aumento de peso. Nesses casos, nós confirmamos através de exames de sangue. Na maioria dos casos, o paciente já sabe que tem alteração da tireoide e já está em tratamento.

 

4 – Ficar sem esmalte ajuda no tratamento das unhas fracas

A orientação é de remover os esmaltes sempre que eles começarem a craquelar. Sempre que o esmalte começar a ficar feio, em vez de deixar ou ficar arrancando com as unhas o que restou, o ideal é remover tudo com um removedor sem acetona (porque é melhor para as unhas).

E, nesse período, até visitar novamente a manicure e fazer uma nova hidratação, aproveite para hidratar, porque é ótimo para fazer a recuperação da sua unha.

Você pode usar qualquer hidratante corporal, mas há alguns que são específicos para unhas e cutículas; é possível passar em cima das unhas também, já que a placa ungueal absorve muito bem os hidratantes e geis.

O momento atual, de recolhimento, é uma excelente oportunidade para fazer essa pausa no uso do esmalte e caprichar na hidratação noturna.

 

5 – Há alguma restrição à colagem de unhas artificiais e com gel?

Essas técnicas novas da unha em gel, ou até mesmo do esmalte em gel, têm a vantagem de deixar a unha em ordem mesmo em pessoas que não têm unhas tão fortes.

A desvantagem é que a unha colada cria um mecanismo de alavanca, porque vai aumentar o tamanho e vai atrapalhar a função normal da unha (que é ajudar na apreensão dos objetos, ajudar no tato).
Sempre que você está com a unha grande, colada na sua própria unha, e você tem um trauma, esse trauma é transmitido de forma muito mais significativa para o leito e pode levar até a lacerações – chegamos a ver algumas vezes esse tipo de quadro no consultório.

É claro que isso é um acidente, uma coisa que não acontece todos os dias. A desvantagem real é que pequenos traumas ao longo de dias e meses levam à fragilização da unha que está por baixo. Além disso pode ocorrer infiltração de água – ou outros imprevistos – que facilitam a infecção das unhas por fungos e bactérias.

Nessa época de pandemia e reclusão eu não indico de nenhuma forma o uso desse tipo de unha colada por atrapalhar a correta lavagem das mãos.

 

6 – Unhas amareladas ou com manchas brancas podem indicar alguma doença?

As micoses podem cursar tanto com unhas amareladas quanto esbranquiçadas, mas a maior parte das unhas amareladas que vemos não é decorrente de micose e sim dos esmaltes que têm pigmentos vermelhos.

Se eles não forem usados com uma base adequada ou forem de má procedência podem acabar penetrando na placa e mudando a pigmentação para uma cor mais amarelada.

Lembrem-se de que a unha com micose fica espessada, além de estar amarelada! Mas se a unha estiver amarelada e fina, isso pode ser causado por um agente externo, que não tem maior gravidade.
Manchas brancas podem ser surgir quando a manicure cutuca a fábrica da unha, levando a uma descamação das células da unha, que ficam aprisionadas pela camada superficial.

O indicado para quem tem esse tipo de mancha, é pegar leve na hora de fazer as cutículas, tentar evitar de retirar totalmente, empurrar com violência etc. Lembrar que o ideal é não retirar as cutículas e sim hidrata-las. Isso inclusive fortalece as unhas fracas!

Assista aqui o meu vídeo onde explico melhor sobre as unhas fracas:

 

 

E então, ficou com alguma dúvida sobre as suas unhas? Fale comigo sobre os seus questionamentos. Me siga no Instagram!

LEIA MAIS

O nosso assunto de hoje são os cuidados com as unhas nessa fase de pandemia do COVID-19 e também da quarentena.

Nesse texto eu vou dar dicas pra você que tem unhas fracas e pra você que não tem unhas fracas, mas que também quer fazer uma assepsia correta das suas mãos e sabe que algumas coisas que você faz ou deixa de fazer podem impedir ou atrapalhar a limpeza adequada das mãos.

Devido à Pandemia do COVID-19, no dia 23 de Março, todos começamos uma quarentena, para evitar que o vírus se espalhe, principalmente para o grupo de risco que são os idosos e pessoas com doenças crônicas.

Mas e quem convive com idosos ou com quem tem doença crônica? O que fazer? Ter cuidados com as unhas e mãos é essencial. Confira algumas dicas agora!

 

Cuidados com as Unhas: como evitar que o vírus se espalhe

O primeiro ponto que eu queria discutir com vocês sobre os cuidados com as unhas é em relação a remoção de cutículas e esmaltação. Pessoal, não. Essa é uma fase para deixarmos as nossas unhas em paz, então evite fazer isso em casa.

Aproveite esse momento para deixar as cutículas crescerem, e também ficar sem esmaltação. Isso vai facilitar muito na limpeza; a gente sabe que o vírus tem alta aderência e que os esmaltes descascados facilitam essa aderência.

Então, é importante remover o esmalte com um removedor apropriado, não acetona, retirar todo o excesso e aproveitar para hidratar mãos e unhas antes de dormir, porque todos estamos usando bastante álcool gel e sabonete.

Sabemos que essa prática é fundamental para a nossa proteção, mas pode levar a ressecar e fragilizar as unhas, mesmo das pessoas que não têm unhas fracas. Então: não retire as cutículas, hidrate e mantenha as unhas curtas.
 

E os alongamentos de unhas?

Esse é um ponto muito importante, eu já falei em vários vídeos sobre como os alongamentos de unhas podem danificar a estrutura do leito ungueal por mecanismo de alavanca.

Quando você está com a unha muito comprida, e bate a ponta da unha, aquilo transmite uma força muito grande para o leito ungueal, o que pode facilitar o surgimento de:

Micose;
● Infecções bacterianas;
● Atrapalhar muito a limpeza correta;
● Dificultar a apreensão dos objetos etc.

Se você me acompanha no Instagram, já deve ter percebido que eu não sou fã das unhas compridas, pelos motivos expostos acima. E, além disso, existe um motivo extra! Você sabia que os médicos que fazem cirurgia no centro cirúrgico não devem ter unhas compridas? E porquê? Por que atrapalha muito na hora de fazer a desinfecção das unhas e das mãos!

Portanto, nesse momento, não devemos deixar as nossas unhas compridas.

Ter cuidados com as unhas é essencial! É claro que dá trabalho, mas você vai ter bastante tempo para cuidar das suas unhas, favorecendo a saúde como um todo!

Lembre-se de mantê-las aparadas, sem esmalte, não retirar as cutículas e hidratá-las antes de dormir.

Eu espero que vocês tenham gostado. Se vocês gostou, compartilhe com as pessoas que você ama e, se tiver dúvidas, deixe nos comentários ou para ter um atendimento exclusivo sobre o assunto, mande uma mensagem aqui, para o nosso whatsapp! Até a próxima, um beijo!

 

LEIA MAIS

Olá, como você está? Vamos conversar sobre unhas fracas e quebradiças?

Um dos pontos característicos de uma mulher é a unha. Afinal, quem não gosta de estar sempre linda e com as unhas incríveis para compor o look?

Mas, infelizmente, muitas mulheres sofrem com unhas fracas e quebradiças.

Pior ainda: muitas delas acabam colocando unhas postiças ou fazendo outros procedimentos que podem atacar ainda mais as unhas.

Para diminuir os danos para as unhas fracas e fazer com que elas cresçam mais fortes, belas e saudáveis, existem algumas dicas de o que você deve ou não pode fazer de maneira alguma nas unhas.

3 dicas básicas para unhas fracas

1 – Use creme hidratante para suas mãos e unhas

Sempre que retirar o esmalte, hidrate as unhas com um creme específico. Isso é importante para diminuir a agressão dos produtos que existem nos esmaltes (sim, eles agridem suas unhas).

2 – Fortaleça as unhas com bases e óleos próprios

Uma das dicas para unhas fracas e quebradiças é usar óleos específicos e bases fortalecedoras. Eles podem nutrir as suas unhas.

Mas tome cuidado: repare muito bem na fórmula desses óleos e bases, preferindo os que têm minerais, cálcio e vitaminas (como a B5, por exemplo).

3 – Use o removedor de esmaltes em vez da acetona

Gente, vamos combinar uma coisa: se você tem unhas fracas, não use acetona porque é uma química agressiva e piora a situação da sua unha frágil.

O removedor tem a composição certa para tirar os esmaltes sem agredir suas unhas frágeis e ainda pode te ajudar a hidratá-las.

Outras 6 dicas para unhas fracas

Além do que já falamos aqui para quem tem unhas fracas e quebradiças, também existem outros pontos super importantes para te ajudar nessa missão.

 

O vídeo ali em cima fala mais desses pontos e eu te explico em detalhes sobre cada um. Mas aqui vai um resumo do que você vai encontrar por lá:

1 – Hidrate as cutículas em vez de removê-las.

2 – Quem faz algum trabalho manual, precisa ter as unhas curtas; prefira o corte reto e com leve arredondamento nos cantos.

3 – Ao limpar as unhas, não use a espátula para que elas não descolem; prefira as escovinhas próprias para isso.

4 – Caso tenha colocado unhas postiças e suas unhas tenham ficado verdes, faça um tratamento porque essa coloração acontece por conta de uma bactéria.

5 – Caso você tenha contato com produtos químicos, use luvas de pano por baixo e borracha por cima.

6 – Tome cuidado com as diferenças de PH dos produtos (variando de um ácido para um básico, por exemplo), porque isso pode acabar com a queratina da sua unha.

Isso é tudo por hoje! Quer mais informações para ficar sempre linda e arrasando por aí? Continue me acompanhando aqui no blog e nas redes sociais.

LEIA MAIS