Olá, pessoal, nesse post vamos falar um pouco sobre as unhas fracas. A verdade é que muita gente tem dúvida sobre o assunto, mas não sabe aonde achar a informação correta.

Ah, e se a sua dúvida sobre unhas fracas não estiver respondida aqui, pode mandar uma mensagem no Facebook com a sua pergunta que a gente responde em uma próxima oportunidade. Vamos lá!

 

1 – O que pode causar as unhas fracas?

O que é mais comumente leva às unhas fracas é o hábito que temos de fazer a mão. Saiba que retirar as cutículas, usar esmalte, e depois usar acetona para retirar esse esmalte: tudo
Quando cozinhamos ou mexemos com produtos de limpeza, ficamos em contato com diversas substâncias e ficamos com as mãos úmidas a maior parte do tempo. Nessas situações ocorre a contração da unha e depois a expansão da placa da unha. Essa “dança” da unha expandir com a água e depois contrair com a secagem pode levar a quebras estruturais que vão promover um enfraquecimento da estrutura da unha. São as unhas fracas!

As unhas fracas se caracterizam por descamação e desfolhamento. Nos casos mais graves temos unhas quebradiças e ressecadas. Nessa época de pandemia mundial pelo COVID-19 estamos constantemente lavando as mãos e aplicando álcool gel. Com certeza isso contribui para o agravamento das unhas fracas! Saiba mais sobre isso aqui.

Mas isso não é tudo! Outras situações do nosso dia a dia podem contribuir com unhas fracas. É o caso de tocar instrumentos musicais, teclar, deixar as unhas compridas etc. A vibração transmitida em todas essas situações enfraquece as ligações celulares que mantêm a placa ungueal unida.

Algumas doenças também podem ser importantes para o surgimento do quadro de unhas fracas. Acontece muito com as doenças da tireoide e várias doenças de pele que também podem comprometer as unhas (psoríase, líquen plano, micoses), por exemplo.

Uma outra situação possível é quando a pessoa tem um distúrbio nutricional e apresenta déficits de proteínas, calorias, minerais ou vitaminas.

 

2 – Como cuidar das unhas fracas através da alimentação?

É possível cuidar das unhas com orientação nutricional, ao identificarmos que o indivíduo está consumindo menos do que precisaria para poder manter-se com saúde.

Quando atendemos o paciente, pedimos para que ele faça um diário alimentar, conversamos a respeito do que está sendo consumido, quais são as calorias envolvidas etc.

Também temos que saber quem é esse indivíduo, quais atividades diárias desse indivíduo, quanto ele gasta de calorias, para entender se tem um déficit nutricional importante.

Cabelos e unhas não são necessários para o organismo, então se houver um déficit de calorias ou um déficit de qualquer outro nutriente (proteínas, minerais e vitaminas), o corpo vai priorizar isso para os órgãos que são nobres e cabelo e unhas e cabelos irão sofrer. Então, teremos queda de cabelos e unhas fracas.

Através da conversa com o paciente conseguimos entender quem é esse indivíduo e o que ele está consumindo – e, muitas vezes, vamos direcionar exames complementares para investigar e confirmar essa hipótese

 

3 – Doenças que podem causar unhas fracas

Essas doenças que eu citei anteriormente são as mais comuns. Geralmente, tanto a psoríase quanto o líquen plano, vão acometer a maioria das unhas e são doenças inflamatórias. De uma hora para a outra, aquele indivíduo, que sempre teve as unhas normais, vai desenvolver uma inflamação e um acometimento das 20 unhas ou pelo menos da maioria delas.

Isso vai levar a uma fragilidade muito grande das unhas e de forma abrupta. Isso sempre faz com que o indivíduo opte por procurar o médico.

Já na nos casos de doença da tireoide, o quadro nas unhas é de instalação mais lenta, mas conseguimos perceber através de outros sinais e sintomas, como, por exemplo: fraqueza, astenia, fala lentificada, muito sono e aumento de peso. Nesses casos, nós confirmamos através de exames de sangue. Na maioria dos casos, o paciente já sabe que tem alteração da tireoide e já está em tratamento.

 

4 – Ficar sem esmalte ajuda no tratamento das unhas fracas

A orientação é de remover os esmaltes sempre que eles começarem a craquelar. Sempre que o esmalte começar a ficar feio, em vez de deixar ou ficar arrancando com as unhas o que restou, o ideal é remover tudo com um removedor sem acetona (porque é melhor para as unhas).

E, nesse período, até visitar novamente a manicure e fazer uma nova hidratação, aproveite para hidratar, porque é ótimo para fazer a recuperação da sua unha.

Você pode usar qualquer hidratante corporal, mas há alguns que são específicos para unhas e cutículas; é possível passar em cima das unhas também, já que a placa ungueal absorve muito bem os hidratantes e geis.

O momento atual, de recolhimento, é uma excelente oportunidade para fazer essa pausa no uso do esmalte e caprichar na hidratação noturna.

 

5 – Há alguma restrição à colagem de unhas artificiais e com gel?

Essas técnicas novas da unha em gel, ou até mesmo do esmalte em gel, têm a vantagem de deixar a unha em ordem mesmo em pessoas que não têm unhas tão fortes.

A desvantagem é que a unha colada cria um mecanismo de alavanca, porque vai aumentar o tamanho e vai atrapalhar a função normal da unha (que é ajudar na apreensão dos objetos, ajudar no tato).
Sempre que você está com a unha grande, colada na sua própria unha, e você tem um trauma, esse trauma é transmitido de forma muito mais significativa para o leito e pode levar até a lacerações – chegamos a ver algumas vezes esse tipo de quadro no consultório.

É claro que isso é um acidente, uma coisa que não acontece todos os dias. A desvantagem real é que pequenos traumas ao longo de dias e meses levam à fragilização da unha que está por baixo. Além disso pode ocorrer infiltração de água – ou outros imprevistos – que facilitam a infecção das unhas por fungos e bactérias.

Nessa época de pandemia e reclusão eu não indico de nenhuma forma o uso desse tipo de unha colada por atrapalhar a correta lavagem das mãos.

 

6 – Unhas amareladas ou com manchas brancas podem indicar alguma doença?

As micoses podem cursar tanto com unhas amareladas quanto esbranquiçadas, mas a maior parte das unhas amareladas que vemos não é decorrente de micose e sim dos esmaltes que têm pigmentos vermelhos.

Se eles não forem usados com uma base adequada ou forem de má procedência podem acabar penetrando na placa e mudando a pigmentação para uma cor mais amarelada.

Lembrem-se de que a unha com micose fica espessada, além de estar amarelada! Mas se a unha estiver amarelada e fina, isso pode ser causado por um agente externo, que não tem maior gravidade.
Manchas brancas podem ser surgir quando a manicure cutuca a fábrica da unha, levando a uma descamação das células da unha, que ficam aprisionadas pela camada superficial.

O indicado para quem tem esse tipo de mancha, é pegar leve na hora de fazer as cutículas, tentar evitar de retirar totalmente, empurrar com violência etc. Lembrar que o ideal é não retirar as cutículas e sim hidrata-las. Isso inclusive fortalece as unhas fracas!

Assista aqui o meu vídeo onde explico melhor sobre as unhas fracas:

 

 

E então, ficou com alguma dúvida sobre as suas unhas? Fale comigo sobre os seus questionamentos. Me siga no Instagram!

LEIA MAIS

Se você reparou que suas unhas estão descamando, onduladas, partidas, fracas, quebradiças ou não crescem, fique de olho: pode ser o indício de que algo não vai bem com o seu corpo. Unhas fracas podem ser o sinal de que você está com falta de vitaminas, com anemia ou alguma doença dermatológica. Em alguns casos, os motivos podem ser externos, provocados por produtos de limpeza, traumas emocionais ou até mesmo o excesso de manicure. O ponto é que ter unhas fracas não é algo normal, já que elas são um reflexo da sua saúde e podem ser a indicação de que você precisa se cuidar.

O que está por trás das unhas fracas e quebradiças?

“Vários problemas podem se esconder por trás de unhas fracas e quebradiças, desde um déficit de proteínas e calorias na dieta, passando por alterações endocrinológicas, como doenças da tireoide”, aponta Tatiana Gabbi, dermatologista e assessora do Departamento de Cabelos e Unhas da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Confira as principais causas por trás da fragilidade nas unhas:

Deficiência nutricional

Para Tatiana, uma dieta balanceada pode prevenir o surgimento de diversas doenças, inclusive a síndrome das unhas fracas. “A dieta balanceada é rica em vegetais e fibras, vitaminas e minerais. Esses alimentos são importantes para a regulação do metabolismo do organismo como um todo, beneficiando as células em rápida divisão, como as das unhas e dos cabelos”, comenta.

Uma alimentação equilibrada é fundamental para a ingestão de nutrientes como ferro, zinco, selênio e vitaminas B e D, responsáveis por manter a força e a saúde das unhas. Como elas também são compostas basicamente por proteína, alimentos com essa substância não podem faltar no prato.

Em casos de restrição alimentar, é importante buscar um nutricionista para obter alternativas e não deixar nenhum desses elementos fora da sua dieta.

Alterações endocrinológicas

De acordo com Tatiana, as unhas fracas podem ser consequência de doenças na tireoide, ou seja, tanto no hipotireoidismo, quanto no hipertireoidismo. Isso porque a tireoide é a glândula responsável pela produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), que regulam diversas funções no organismo.

No caso do hipotireoidismo, ocorre uma diminuição no metabolismo e no transporte de nutrientes pelo corpo em decorrência da redução na produção dos hormônios T3 e T4. Já no hipertireoidismo, acontece o contrário. Esses hormônios são produzidos em abundância, o que pode provocar o crescimento acelerado das unhas, mas, em contrapartida, também deixá-las bem mais frágeis.

É preciso ficar atento, pois ambas as doenças normalmente vêm acompanhadas de outros sintomas, como ganho ou perda inexplicável de peso, cansaço, queda de cabelo, colesterol alto e anemia. “Em geral, quando a doença é mais séria, a pessoa tem outros sintomas além da unha fraca”, informa Tatiana.

 

Doenças dermatológicas

A dermatologista explica que existem doenças próprias das unhas que podem prejudicá-las, como eczema, psoríase ungueal e líquen plano ungueal. O eczema é uma irritação na pele que pode causar vários tipos de lesões em diferentes áreas do corpo.

A psoríase ungueal ocorre quando as células de defesa do corpo atacam as unhas. Quando isso acontece, elas podem ficar onduladas, deformadas, quebradiças, grossas ou com manchas brancas ou marrons.

Já o líquen plano ungueal pode ser caracterizado por alterações na raiz, abaixo e ao redor da unha. Essas alterações podem ser estrias, fendas ou em relação ao tamanho ou à cor da unha. Em alguns casos, pode ocorrer o descolamento da mesma na região próxima da cutícula.

Em todos as situações, o indicado é buscar um dermatologista para tratar essas doenças e, depois, fortalecer as unhas.

 

Traumas de repetição

“Os traumas de repetição podem ser bem comuns em tecladistas, pianistas, pessoas que mexem com artesanato ou com produtos de limpeza e ciclos de lavagem e secagem”, conta Tatiana. Ou seja, atividades rotineiras que costumam gerar atrito nas unhas. Outros tipos de trauma também podem ser provocados por causa do hábito de roer unhas ou o de teclar no computador com as pontas dos dedos. Essas ações podem quebrar as unhas ou prejudicar sua estrutura.

Para a médica, é preciso ter cuidado quando usar muito as mãos, como nos casos de trabalhos manuais e domésticos. “É importante usar luvas sempre que possível e evitar manter as unhas muito compridas”.

 

Excesso de manicure

O excesso de manicure, uso de esmaltes e a remoção de cutículas também podem provocar unhas fracas, afirma Tatiana. Em primeiro lugar, é preciso tomar cuidado com o material usado na hora da manicure. Veja sempre se todos os equipamentos estão bem higienizados antes do uso, pois o uso compartilhado deles pode gerar infecções e algumas doenças, como micose. Mesmo que você utilize seu próprio material, tenha certeza se tudo está bem limpo.

A acetona também pode se mostrar um problema, já que desidrata, gera manchas e enfraquece as unhas. O ideal é substituí-lo pelo removedor de esmalte, que é menos abrasivo, ou seja, provoca menos desgaste.

Outra atitude bem comum às brasileiras e que pode ser bem prejudicial é a remoção das cutículas. Elas existem para proteger e impedir a entrada de bactérias e vírus dentro da pele ao redor da unha. Quando são retiradas, a região em volta enfraquece.

 

Dicas para fortalecer unhas fracas

Existem várias formas de cuidar das unhas, mas é necessário descobrir antes o que está por trás da fraqueza delas. “Em primeiro lugar, precisamos entender a origem do problema. Se for possível, afastar a causa e evitar traumas desnecessários”, explica Tatiana.

Para alguns casos, basta melhorar os hábitos de higiene e de alimentação. Em outros, é indispensável buscar a ajuda de um profissional, como um dermatologista. Confira abaixo alguns métodos fáceis que podem ser aplicados no seu dia a dia, mas que podem fazer a diferença na saúde das suas unhas.

 

Coma mais alimentos ricos em vitaminas e proteínas

Produtos como leite e derivados, ovo, gelatina, carne, espinafre, abacate, couve e batata doce podem ajudar a fortalecer suas unhas, pois são ricos em diferentes tipos de vitaminas além de ferro, cálcio e proteína.

 

Proteja suas mãos e unhas

Use luvas de borracha quando manusear produtos de limpeza ou quando realizar tarefas domésticas. Essa proteção ajuda a manter as unhas longe de químicos que podem prejudicá-las e do atrito provocado pelos movimentos de limpeza.

 

Abuse dos cremes hidratantes

Mãos e unhas hidratadas são sinônimo de cuidado. Por isso, lembre-se sempre de passar um pouco de creme hidratante todos os dias. Além de fortalecer as unhas e evitar o ressecamento, os hidratantes também ajudam a cuidar da cutícula, que não precisa ser retirada na hora de fazer a manicure.

 

Evite acetona

Como explicado anteriormente, a acetona não é o produto mais indicado para remover esmaltes, já que pode deixá-las ainda mais fragilizadas. Opte sempre por um removedor sem acetona.

 

Vá ao médico

Lembre-se que unhas fracas podem ser o indício de alguma doença mais séria. Por isso, não demore para procurar um profissional especializado e cuidar da sua saúde.
Fonte:Instituto de Longevidade Mongeral Aego | institutomongeralaegon.org

LEIA MAIS

Olá, como você está? Vamos conversar sobre unhas fracas e quebradiças?

Um dos pontos característicos de uma mulher é a unha. Afinal, quem não gosta de estar sempre linda e com as unhas incríveis para compor o look?

Mas, infelizmente, muitas mulheres sofrem com unhas fracas e quebradiças.

Pior ainda: muitas delas acabam colocando unhas postiças ou fazendo outros procedimentos que podem atacar ainda mais as unhas.

Para diminuir os danos para as unhas fracas e fazer com que elas cresçam mais fortes, belas e saudáveis, existem algumas dicas de o que você deve ou não pode fazer de maneira alguma nas unhas.

3 dicas básicas para unhas fracas

1 – Use creme hidratante para suas mãos e unhas

Sempre que retirar o esmalte, hidrate as unhas com um creme específico. Isso é importante para diminuir a agressão dos produtos que existem nos esmaltes (sim, eles agridem suas unhas).

2 – Fortaleça as unhas com bases e óleos próprios

Uma das dicas para unhas fracas e quebradiças é usar óleos específicos e bases fortalecedoras. Eles podem nutrir as suas unhas.

Mas tome cuidado: repare muito bem na fórmula desses óleos e bases, preferindo os que têm minerais, cálcio e vitaminas (como a B5, por exemplo).

3 – Use o removedor de esmaltes em vez da acetona

Gente, vamos combinar uma coisa: se você tem unhas fracas, não use acetona porque é uma química agressiva e piora a situação da sua unha frágil.

O removedor tem a composição certa para tirar os esmaltes sem agredir suas unhas frágeis e ainda pode te ajudar a hidratá-las.

Outras 6 dicas para unhas fracas

Além do que já falamos aqui para quem tem unhas fracas e quebradiças, também existem outros pontos super importantes para te ajudar nessa missão.

O vídeo ali em cima fala mais desses pontos e eu te explico em detalhes sobre cada um. Mas aqui vai um resumo do que você vai encontrar por lá:

1 – Hidrate as cutículas em vez de removê-las.

2 – Quem faz algum trabalho manual, precisa ter as unhas curtas; prefira o corte reto e com leve arredondamento nos cantos.

3 – Ao limpar as unhas, não use a espátula para que elas não descolem; prefira as escovinhas próprias para isso.

4 – Caso tenha colocado unhas postiças e suas unhas tenham ficado verdes, faça um tratamento porque essa coloração acontece por conta de uma bactéria.

5 – Caso você tenha contato com produtos químicos, use luvas de pano por baixo e borracha por cima.

6 – Tome cuidado com as diferenças de PH dos produtos (variando de um ácido para um básico, por exemplo), porque isso pode acabar com a queratina da sua unha.

Isso é tudo por hoje! Quer mais informações para ficar sempre linda e arrasando por aí? Continue me acompanhando aqui no blog e nas redes sociais.

LEIA MAIS

A minha segunda participação na CILAD foi em um bloco de terapêutica dermatológica para os 100 primeiros inscritos nesse congresso. Na sala, foram discutidos diversos tratamentos comuns no consultório de dermatologia.

Tivemos apresentações sobre doenças, como rosácea, acne, pele sensível, verrugas, cicatrizes de acne, doenças ungueais e pessoas que já tiveram câncer de pele ou que são mais dispostas a desenvolver.

Eu falei sobre as alterações ungueais que deixam as unhas feias e que levam o paciente a procurar o consultório médico.

Falei bastante sobre a síndrome das unhas frágeis e seus tratamentos locais e com medicamentos orais, também sobre a unha em garra e a unha em telha.

Sobre as unhas fracas, eu já falei bastante aqui no blog. Se você quiser saber mais sobre isso, é só clicar aqui.

Em relação às unhas em telha, que ficam espessadas, deformadas e podem causar uma dor insuportável, eu já discuti brevemente, quando falei sobre unhas doloridas.

No entanto, eu nunca falei sobre a unha em garra ou onicogrifose por aqui! Vai ser tema para uma próxima postagem, com certeza! Aguardem!

Seguem fotos do evento:

LEIA MAIS

Participei como coordenadora do curso pré-congresso de Cosmiatria de Cabelos e Unhas e palestrei sobre suplementação oral para unhas.

Dessa vez o congresso aconteceu em Brasília e as aulas foram muito interessantes e proveitosas, com excelente didática dos palestrantes.

No meu tema, falei principalmente da biotina e do silício, mas também abordei o uso dos peptídeos do colágeno e do ômega 3.

Na parte das unhas, discutimos a síndrome das unhas fracas, os esmaltes e os procedimentos de alongamento das unhas e seus efeitos adversos e a possibilidade de melhora estética de doenças ungueais crônicas ou que sofreram traumas.

Já na parte dos cabelos, falou-se sobre o intemperismo capilar e cosméticos capilares, além das próteses capilares e a perda de cabelos por tração.

O intemperismo capilar é um assunto fascinante e será tema do nosso próximo post, mas aqui vai um spoiler: trata-se de tudo que está no ambiente e pode danificar o fio.

Os grandes vilões são: o sol, o ato de pentear e tracionar os fios, a limpeza excessiva, as tintas e descolorações, os alisamentos e o calor.

LEIA MAIS

Nos dias 7 e 8 de julho de 2017, tive a honra de participar de uma reunião especial da Sociedade Brasileira de Dermatologia, regional Mato Grosso do Sul, cujo tema foi o estudo das doenças do cabelo e das unhas. Na sexta feira, ministrei juntamente com o Dr. Nilton Gioia di Chiacchio, um curso prático de cirurgia da unha ao vivo, para os médicos dermatologistas da região. No dia seguinte, apresentamos aulas teóricas das 8 as 19hs. Os temas apresentados por mim foram: Retroníquia (unha encravada na região da cutícula), Tumores Ungueais e tratamento cosmético e nutrológico das unhas e cabelos.

Fomos muito bem recepcionados pelo presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia – MS, o Dr. Alexandre Moretti e também pela dermatologista preceptora do Ambulatório de Cabelos do Hospital Universitário UFMS,  a Dra. Aline Blanco. Só tenho a agradecer e me colocar a disposição para convites futuros. O professor só pode ensinar quando está disposto a aprender e posso dizer que saio muito enriquecida dessa experiência.

As fotos estão disponíveis na galeria

LEIA MAIS

Um outro problema que pode surgir, em indivíduos de qualquer sexo e faixa etária é uma estria única em apenas uma das unhas. Esse quadro é chamado de onicopapiloma e representa uma alteração da fábrica da unha, um pequeno defeitinho. Por conta disso, a unha formada nessa região

apresenta quebra na ponta e pode ter um acúmulo de material endurecido embaixo. O tratamento definitivo é cirúrgico e consiste na retirada dessa região alterada. Em outros casos, apenas a melhora da quebra com medicamentos orais que tornam a unha mais forte já resolve a queixa do paciente. Há, ainda, casos em que a cirurgia está indicada para diferenciar com alguns outros problemas, mas o onicopapiloma é uma alteração BENIGNA  e não há obrigatoriedade de cirurgia. Quando temos dor associada, pode ser um outro tipo de doença que aparece nas unhas, mas eu vou deixar para falar sobre risquinhos associados à dor em um outro artigo. Se as suas unhas doem e não há nada aparente, leia esse artigo.

Fiz um vídeo explicando tudo lá no youtube.

Aproveite e siga meu canal! Tem vídeos muito legais por lá! O link e os vídeos estão no fim da página principal!!!!

LEIA MAIS

Além do risquinho escuro, que a gente já explicou em outro post, outros risquinhos podem aparecer nas suas unhas. As estrias, como são chamadas, costumam ser levemente esbranquiçadas ou amareladas, mas também podem ser avermelhadas ou não ter cor alguma. Quanto à forma de aparecimento: pode ser uma só ou várias e isso pode acontecer em várias unhas, em uma única unha ou em todas.

A aparência das estrias, a quantidade delas e a localização ajuda o especialista a fazer o diagnóstico correto do quadro, mas dois problemas se destacam por serem mais comuns!

Um deles é também chamado de onicorrexis e representa a canície ou “cabelo branco” da unha. Pode surgir com o passar dos anos e estar associado a uma atividade inflamatória presente na fábrica das unhas. Essa inflamação acontece por conta da proximidade com as articulações, em alguns casos. Esse problema pode estar associado à fragilidade das unhas e deve ser abordado como a síndrome das unhas fracas. Também temos post sobre isso aqui.

A onicorrexis se apresenta com múltiplas estrias incolores ou esbranquiçadas em múltiplas unhas. É mais comum no sexo feminino e após os 50 anos de idade, sendo extremamente frequente em mulheres acima dos 70 anos. Pode ou não estar associada à quebra das unhas, mas se não cuidarmos direitinho delas, as unhas irão acabar ficando mais fracas. O tratamento é feito com esmaltes medicamentosos e com a ingestão de vitaminas e minerais que fortificam as unhas.

No próximo post vamos explicar sobre o onicopapiloma!

LEIA MAIS